quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Amargo...

(...) perdido entre tantos pensamentos que de lá por pouco o distraíam, sua atenção lhe era mais uma vez arrancada do longe. Inevitáveis eram seu retorno e sua fuga, frente ao desespero que o exauria. E ainda que confinado em suas fraquezas, recusava-se a engolir mais uma vez tal desaforo. Sujeito aos caprichos dos que obedecia, aguardava no distante porvir, a sua liberdade. E sentindo reprovação sufocar, tentava estancar choro arranhando garganta e engolindo a seco. Esqueceu-se de quantas vezes havia passado por isso e mal sabia quantas vezes mais ainda enfrentaria tamanha provação. Não sabia mais o quê fazer, nem como argumentar. Via-se assim, derrotado pois, inevitável o sabor amargo. Ia mesmo ter que engolir; os seus legumes. Queria sair para brincar no quintal.

Um comentário:

Bibiana Benites disse...

Guilherme!
Tem um selo pra você no meu blog!
Espero que goste.

Beijos querido : )