quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Tóxico...

Como dois guerreiros cansados que lutam sem mais saber por quê, ainda carregam suas armas de tortura, pois desaprenderam a escolher melhor suas batalhas; e não sabem eles que a conquista, sabe-se lá do quê, não virá. No campo do dia-a-dia, discussões estão marcadas na agenda; desavenças tem horário certo pra ser. Perderam há muito a rota do prazer que seguiam juntos, já que passaram a ver cores outras na mesma forma e formas muitas da mesma cor desbotada. As nuances se tornaram faísca e a presença, combustível. Tornaram-se cobradores implacáveis de pormenores não ditos, entrelinhas não vistas e passado perdido. O que passaram a bem cultivar foram suas raivas e represar suas mágoas. O desespero passou a doutrinar o querer e o estar com lições amargas. A estima que preservam, tornou-se chão fundo, e o amor, impróprio, evapora pelo calor de cada contenda. E neste encontro do avesso, passaram a trocar alegria por tristeza, saúde por doença, riqueza por pobreza, de espírito. E assim se desgastam, se desusam e se desconhecem; jamais se descansam.

2 comentários:

Walquiria disse...

Esse texto veio de encontro às situações vivenciadas por mim...

Não sei se mera coincidencia, mas mexeu cmg.

Bjs doces.

Renata Machado disse...

Gostei!

Bjs