terça-feira, 17 de agosto de 2010

Alfinete...

"Não queiram entender minhas palavras: não me dissequem, não segurem entre vidros essas canções, essas asas, essa névoa. Não queiram me prender como a um inseto no alfinete da interpretação: se não podem amar o meu poema, deixem que seja somente um poema. (Nem eu ouso erguê – lo entre meus dedos e perturbar a sua liberdade).
.
.
.
-Lya luft-

Nenhum comentário: