sexta-feira, 14 de maio de 2010

Muito...

"O que ele quer é falar de amor. Fazer cafuné, comprar presente, reservar hotel pra viagem, olhar estrela sem ter o que dizer. Quer tomar vinho e olhar nos olhos. Ele quer poder soprar o que mora dentro, o que não cabe, que voa inocente e suicida. Ele quer o que não tem nome. Quer rir sem saber de quê, passar horas sem notar, quer o silêncio e a falação. Ele quer bobagem. Quer o que não serve pra nada. Quer o desejo, que é menos comportado que a vontade. Ele quer o imprevisto, a surpresa, o coração disparado, o medo de ser bom. Quer música, barulho de e-mail na caixa, telefone tocando. Ele tem muito e quer mais. Quer sempre. Quer se cobrir de eternidade, quer o oxigênio do risco pra ficar sempre menino. Ele quer tremer as pernas, beijo no ponto de ônibus e a milésima primeira vez. Quer cor e som, lembrança de ontem, sorriso no canto da boca. Ele quer dar bandeira. Quer a alegria besta de quem não tem juízo. O que ele quer é tão simples. Só que ele não é desse mundo."
.
.
.
(C.Guerra)

Nenhum comentário: