segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Amar é chegar atrasado depois de dormir demais...

“Se realmente quisermos nos comunicar, devemos desistir de saber o que fazer.” –Pema Chödrön

Se você já dormiu demais e chegou bastante atrasado no trabalho, sabe do que estou falando. Não há desculpa, não há justificativa. Você está ali, aberto, com cara de sono, sem pensar direito, com um certo embaraço, pronto para levar uma bronca ou ser demitido. Você não sabe se pede desculpas ou se finge que nada aconteceu, esperando alguém perguntar para improvisar uma resposta. A pose que costumava manter foi embora. Pensa em cobrar seu colega por algo que ele ficou de entregar, mas onde está sua autoridade? Por não haver como se esconder, acaba rindo da situação.

Exposição total, sem proteção, livre de artimanhas, presença aberta, o amor é essa experiência de subir ao palco com uma pomba na cabeça, sem lembrar de ter nascido, envergonhado, quase rindo, desprovido de roteiro ou planejamento. Amar é dormir demais e, mesmo assim, ir ao trabalho de peito aberto sem levar nenhuma desculpa.

Quer atitude mais vulnerável e ridícula do que dizer “Eu te amo”, ficar de joelho e perguntar se a pessoa quer passar o resto de sua vida com você? Ou tirar a roupa e ficar lambendo e sendo lambido em posições que desafiam qualquer ilustração? Amar é se fazer presente ao ponto de trazer à tona os aspectos mais infantis (leia-se lúdicos, mágicos, criativos) e ridículos (leia-se livres, destemidos, ousados) do outro.

Um bodisatva no metrô

Você entra em um vagão do metrô e todos começam a rir. Então lhe sobram duas opções: (1) se opor às gargalhadas, manter a pose séria, se elevar (achando tudo ridículo) ou se rebaixar (achando que é o motivo da piada); ou (2) abraçar a situação e rir junto, sabendo que a grande piada não tem origem nem destino.

Repositório de todas as histórias, cenas e vidas, contexto de todas os dramas possíveis, a grande piada não tem conteúdo, autor ou alvo. Se você ainda não está sorrindo, por favor:



.
.
.
(Gustavo Gitti)

Ver também: "A piada cósmica."

2 comentários:

Menina_Mulher disse...

Olá!

Só o amor tem a capacidade de nos deixar tolos e sábios simultaneamente.

Bendito seja!

Beijos!

Mariazinha disse...

:)