quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Se alguma vez...

"Se alguma vez
Por acaso
Por mentira
Por verdade
Por pura hipocrisia
Se alguma vez
Por descaso
Por ira
Por simples simpatia
Se alguma vez
Por procura
Por mesura
Por candura
Se alguma vez
Por tesão
Por paixão
Ou dissimulação
Se alguma vez
Que errei
Por acaso
Te procurei
Te beijei
Se alguma vez
Foste omisso
E só por isso
Te provoquei
Se alguma vez
Fui teu mantra
Se minhas ancas
Fizeram coisas
Que não vi
Se alguma vez
Te ganhei e perdi
Se alguma vez
Ou eu ou você
Por querer
Não quis resistir
Perdoa eu
Perdoa o que eu
Não vi
Porque mesmo
Sendo tarde
Eu juro
Não percebi
Que estando contigo
Morri
Que mesmo
Parecendo viva
Parti"
 
(Alessandra Barreto Vianna Rocha)

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Consciência...

"Pode parecer bobagem, mas para quem vive num tempo em que as escolas só ensinam a dar respostas - de múltipla escolha, de preferência -, podemos vir a nos esquecer que, na vida, a questão não é dada, não está pronta, a priori. A vida não elabora as perguntas por nós: é preciso problematizar a realidade, delimitar o problema com precisão, pois isso já é meio caminho andado em direção à resposta mais pertinente".

.

.

.

(Consciência. Robson Pinheiro)

domingo, 26 de dezembro de 2010

O verdadeiro Jesus...

O Verdadeiro Jesus (Yeshua Ben Yossef)

O Papa diz que Jesus era um pobrezinho, nascido de um carpinteiro e de uma virgem, no meio de uma manjedoura (cocheira), no dia 25 de dezembro do ano um e, neste mesmo dia, três reis magos estavam perambulando pelo deserto quando avistaram uma estrela de Belém, que os guiou até o estábulo. Chegando lá, entregaram a ele incenso, ouro e mirra. Em seguida, por causa da perseguição do rei Herodes, José, Maria e Jesus fogem para o Egito. A vida de Jesus a partir de então até seus trinta anos desapareceu, sem nenhuma explicação plausível…

A imagem do Jesus Cristo que a Igreja católica e evangélicas vendem para seus fiéis nada mais é do que uma colcha de retalhos de mitos solares, deuses antigos e religião pagani ("pagani" que dizer "das pessoas que vivem no campo", da onde vem o termo "pagão"), costurados pelo Imperador Constantino I e seus asseclas no século IV para manterem-se no poder (visto que os cristãos estavam se tornando muito numerosos e iriam, com o tempo, sobrepujar os adoradores dos deuses romanos).

Mas, se existiam "cristãos", certamente existiu também uma pessoa histórica denominada "o Cristo", no qual baseavam-se seus ensinamentos. Afinal de contas, que foi o verdadeiro Jesus histórico?

Cristo, ou Christos (em grego), significa "messias" e que foi usado para traduzir a palavra Mashiash, que por sua vez significa "o ungido" ou "o ungido por Jeová". No antigo testamento, a palavra Ungido é usada exclusivamente para designar os Reis Judeus (e isto é extremamente importante para se entender o Cristo histórico). Além disso, a palavra Christos havia sido utilizada nas Escolas de Mistérios para designar Avatares anteriores a Jesus.
 
Yeshua Ben Yossef

Yeshua Ben Yosef nasceu no dia 6 de janeiro de 7 AC, essênio, filho de um dos Mestres mais importantes de sua comunidade e de uma das mais sagradas sacerdotisas das Religiões Antigas. Nasceu em uma caverna em Quram, considerada o Templo mais sagrado dos Essênios. Através da Astrologia, os Grão-Mestres (Reis e Magos) das Escolas de Mistério mais importantes do Antigo Oriente sabiam ONDE e QUANDO o Avatar iria nascer. Eles trouxeram presentes ritualísticos e celebraram o Ritual do Nascimento da Criança da Luz. Em seguida, Yeshua foi enviado para o Egito para estudar junto dos melhores professores das Antigas Tradições e fazer todas as iniciações nas Pirâmides até estar preparado para sua missão: ser o legítimo Rei dos Judeus, que estavam sob o domínio dos Romanos.

Jesus era rico ou pobre?

Usando a própria Bíblia como referência, de acordo com [mateus 1:1-16], temos:

Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão (1:1). A Abraão nasceu Isaque; a Isaque nasceu Jacó; a Jacó nasceram Judá e seus irmãos;(1:2), a Judá nasceram, de Tamar, Farés e Zará; a Farés nasceu Esrom; a Esrom nasceu Arão; (1:3) a Arão nasceu Aminadabe; a Aminadabe nasceu Nasom; a Nasom nasceu Salmom;(1:4) a Salmom nasceu, de Raabe, Booz; a Booz nasceu, de Rute, Obede; a Obede nasceu Jessé;(1:5) e a Jessé nasceu o rei Davi. A Davi nasceu Salomão da que fora mulher de Urias;(1:6) a Salomão nasceu Roboão; a Roboão nasceu Abias; a Abias nasceu Asafe;(1:7) a Asafe nasceu Josafá; a Josafá nasceu Jorão; a Jorão nasceu Ozias;(1:8) a Ozias nasceu Joatão; a Joatão nasceu Acaz; a Acaz nasceu Ezequias;(1:9) a Ezequias nasceu Manassés; a Manassés nasceu Amom; a Amom nasceu Josias; (1:10) a Josias nasceram Jeconias e seus irmãos, no tempo da deportação para Babilônia. (1:11) Depois da deportação para Babilônia nasceu a Jeconias, Salatiel; a Salatiel nasceu Zorobabel; (1:12) a Zorobabel nasceu Abiúde; a Abiúde nasceu Eliaquim; a Eliaquim nasceu Azor;(1:13) a Azor nasceu Sadoque; a Sadoque nasceu Aquim; a Aquim nasceu Eliúde;(1:14) a Eliúde nasceu Eleazar; a Eleazar nasceu Matã; a Matã nasceu Jacó; (1:15) e a Jacó nasceu José, marido de Maria, da qual nasceu JESUS, que se chama Cristo (1:16).

De acordo com o Evangelho apócrifo de Thiago (Tiago 1:1), temos:

Segundo narram a memória das doze tribos de Israel, havia um homem muito rico, de nome Joaquim, que fazia suas oferendas em quantidade dobrada, dizendo:

— O que sobra, ofereça-o para todo o povoado e o devido na expiação de meus pecados será para o Senhor, a fim de ganhar-lhe as boas graças.

Ou seja: Yeshua era descendente DIRETO do Rei Davi e do Rei Salomão (aquele que construiu o Templo Sagrado, que detinha a Arca da Aliança, que dominou os 72 espíritos da Goécia e que dispunha das Minas do Rei Salomão) por parte de pai e tinha como avô por parte de mãe um homem que "fazia suas oferendas em quantidade dobrada" e era dono de inúmeros rebanhos. Duas famílias extremamente ricas e poderosas.

O que é mais provável?

1) Jesus era um pobrezinho que nasceu em um estábulo.
2) Jesus tinha um avô descendente direto do Rei Salomão e o outro avô era uma das pessoas mais ricas de Belém, ambos conectados com as maiores ordens detentoras dos conhecimentos ocultos de sua época.

Qual a profissão de José?

Conforme eu havia explicado nas colunas anteriores, todo o Templo Solar estava estruturado ao redor dos ensinamentos trazidos por Moisés do Egito, como a geometria sagrada, engenharia, arquitetura, matemática, astrologia, magia ritualística e medicina. Todo o simbolismo dos graus das Escolas de Mistérios antigas girava em torno da construção do Templo de Salomão, do Tabernáculo e da Arca da Aliança. Sendo assim, os títulos iniciáticos começavam em "Aprendiz", "Companheiro" e " Mestre" e evoluíam pelos graus simbólicos relacionados a estas artes (e assim o são até os dias de hoje). Desta maneira, temos os Escultores, os Telhadores, os Pedreiros, os Ourives, os Guardas do Templo, os bibliotecários…

Isto é a mesma coisa que dizer "o tio Del Debbio é um pedreiro livre" e alguém na rua achar que eu sou um peão de obras! Dentro dos Templos Solares, o grau mais alto dentro da hierarquia simbólica é o de " Mestre Carpinteiro", ou ainda "Carpinteiro da Arca da Aliança", pois é ele quem trabalha a acácia para construir a Arca da Aliança.

O que é mais provável?

1) José trabalhava fazendo banquinhos de madeira para ganhar a vida.
2) José era uma das pessoas com maior conhecimento místico de seu tempo, pertencente ao último grau de iniciação dentro dos Essênios, com o título simbólico de "Mestre Carpinteiro".

Maria era Virgem?

Tanto quanto a sua mãe, nobre leitor(a). Na bíblia original, Maria é descrita em hebraico como "Almâ", que significa "Aquela que já tem idade para ter filhos, mas que ainda não teve nenhum ". Quando as primeiras traduções para o grego foram feitas, usaram a palavra "Parthenos", que significa Virgem (quem não teve relações sexuais ainda) ao invés de "Neanis", que significa Donzela.

Além disto, Maria não era uma mulher qualquer. Para carregar um Avatar em seu ventre, Maria teria de estar iniciada e com todos os chakras desenvolvidos até o ponto máximo que uma mulher humana poderia, para ser capaz de conceber um espírito de tamanha pureza. Existem textos rosacruzes que descrevem a infância de Maria no Egito como uma Virgem Vestal e sua preparação posterior para o casamento com Yosef, que também detinha todas as iniciações na Tumba do Faraó… ops… Câmara das Iniciações.

O que é mais provável?

1) Jesus nasceu de uma mulher que não teve relações sexuais.
2) Maria era uma Grande Sacerdotisa das Antigas Tradições, cuja pureza da alma e preparação mental e espiritual lhe permitiram carregar um Avatar em seu ventre.

Ele nasceu em uma manjedoura?

Nos primeiros textos cristãos, Jesus é descrito como tendo nascido em uma gruta. A primeira pessoa a usar o termo Manjedoura foi São Francisco de Assis, em 1224, quando montou o primeiro presépio, baseado nos textos selecionados pelo Concílio de Nicéia.

A palavra original para designar o local onde Jesus nasceu é "Kephra", que significa "Caverna" ou "Templo". A caverna é considerada o templo mais sagrado de todos, porque não foi construído pelas mãos do homem, mas esculpido na Terra diretamente pelas mãos de Deus. A Caverna era (e ainda é) usada em inúmeras iniciações (Hermes Trismegistros nasceu em uma caverna, Zeus fica escondido em uma caverna, Hades reinava em uma caverna, a caverna de Platão, o mito de Orfeu e Eurídice, O Rei Arthur adormecido em uma caverna, etc, etc, etc… ). Para os Celtas, Essênios, Gregos e Bretões, a caverna era o único templo no qual um Avatar poderia nascer, pois nada construído pelas mãos dos homens poderia ser tão puro.

E, além disso, não era qualquer caverna. Era o complexo de Quram, as mais sagradas cavernas dos Essênios, conhecidas como o centro de estudos e congregações mais importantes daquela região.

O que é mais provável?
 
1) Jesus nasceu no meio das vaquinhas, cavalos e cabritos.
2) O Avatar nasceu no templo mais sagrado dos Essênios, cercado pelos melhores magos e terapeutas de sua época.

Ele nasceu no dia 25 de dezembro?

Definitivamente não. Este era o dia do Solstício de Inverno, que foi adotado pela Igreja Católica para usurpar a data de comemoração do Dies Natalis Solis Invicti, a grande festa em honra ao deus Mithra. Existem controvérsias em relação a data que Yeshua nasceu, mas as duas principais correntes são: 6 de Janeiro (data que até hoje na Europa é comemorada como o "Dia de Reis") e 20 de Maio (data que era comemorado o nascimento de Yeshua nas Igrejas Cristãs primitivas até o ano 366, quando o natal passou a ser "oficialmente" no dia 25 de dezembro). O ano estimado de seu nascimento é 7 AC.

O que é mais provável?

1) Jesus nasceu no dia 25 de dezembro.
2) A Igreja Católica usurpou esta data para associar o nascimento de um Jesus-Apolo fictício que agradasse aos romanos, aproveitando as festividades do Natalis Solis Invicti

Quem eram os 3 reis magos? E quais os presentes?

Grãos Mestres das Escolas de Mistério do Oriente. A tradição ocultista os nomeia Hormizdah (ou Melquior), rei da Pérsia, Yazdegerd (ou Balthazar), rei de Sabá e Perozadh (ou Gathaspa ou Gaspar), rei do país dos Árabes. Os presentes que eles traziam é uma alegoria ao Ritual da Criança da Luz, realizado desde o Antigo Egito até os celtas, composto de magos que representam os quatro elementos.

Eles sabiam da data do nascimento do Avatar porque eram Astrólogos e possuíam toda uma rede de mensageiros e magos dentro das Ordens Ocultas. Desta maneira, quando o filho de um rei nascia, nos parece lógico que os reis e grão-mestres das principais ordens fossem lhe prestar homenagem.

Desta forma: Melchior trouxe ouro, que representa o elemento TERRA; Balthazar trouxe mirra, que representa o elemento ÁGUA e Gaspar trouxe Incenso, que representa o elemento AR no círculo.

Ok, tio Marcelo… mas são apenas 3 reis… para fazer o círculo pagão precisamos de 4 reis-magos… e o quarto elemento?

Ora, crianças… vocês estão esquecendo o óbvio… José, pai de Jesus pertencia à linhagem de Salomão e, portanto, também era um Rei-Mago… ele representava o FOGO.

O que é mais provável?

1) Três reis sábios perambulando pelo deserto no meio da neve e carregando presentes valiosíssimos são guiados por uma estrela até uma cocheira e dão estes presentes pra um bebê que estava por lá
2) Os três Reis Magos vieram prestar homenagens ao filho de um Rei-Mago que nasceu, que estava predestinado a ser o Avatar e o futuro rei dos Judeus.

E a fuga para o Egito?

Nesta altura do campeonato, vocês já devem estar pensando que não foi exatamente uma "fuga", mas sim uma viagem necessária para a Escola dos Mistérios, onde o Avatar seria iniciado nas mais sagradas tradições pelos maiores magos, mestres e professores do planeta, para no futuro dar continuidade à linhagem de Salomão e assumir o trono de Davi, libertando os judeus do domínio dos invasores romanos.

A história de Herodes mandar matar as crianças não existe em nenhum documento histórico. Provavelmente foi uma estória inventada pelo Concílio de Nicéia para acobertar o que a família de Jesus realmente foi fazer no Egito.

Existem diversos textos rosacruzes que narram as iniciações de Yeshua nas Pirâmides, da mesma forma que seu pai e da mesma forma que João Batista, seu primo, e Lázaro, irmão de sua futura esposa. Lembram-se que eu falei sobre esta iniciação por mergulho nas águas, representando as informações que foram protegidas do Dilúvio? Pois é… os cristãos passaram a conhecer esta iniciação como "batismo".

O que é mais provável?
 
1) Uma fuga para o Egito porque algum imperador alucinado mandou matar todas as crianças de um reino.
2) O Avatar foi levado para o Egito (e posteriormente para a Europa, Africa e Ásia) para fazer todas as Iniciações que os Antigos Faraós fizeram e estudar com os maiores sábios de seu tempo, para ter o conhecimento necessário ao futuro Rei dos Judeus.

Por que a igreja inventou tantas mentiras?

Simples. Foi algo necessário para manter o poder. Constantino I era o Imperador ROMANO e Yeshua era o grande libertador JUDEU . Yeshua era praticamente o OPOSTO do que o Imperador precisava. Em segundo lugar, o concorrente direto de Jesus era Mithra, que era filho do Sol, todo poderoso, deus realizador de milagres, enquanto Yeshua era apenas um homem, como Buda. A Igreja PRECISAVA de alguma "coisa" que pudesse competir de igual para igual com um deus. E buscou características de Apolo, Dionísio, Adonis e Khrisna para "embelezar" aquele judeu revolucionário e torna-lo mais palatável ao senado romano.

Mas claro que esta versão fantasiosa do nascimento de Cristo não apareceu do nada. Precisamos entender que do Concílio de Nicéia até os dias de hoje tivemos 1700 anos de mão de ferro, inquisição e fogueiras para matar e destruir TODOS os que sabiam da verdade. Lembrem-se que a razão pela qual as Ordens Secretas são chamadas de "secretas" é que, se elas fossem expostas, seus membros seriam mortos, para garantir que todas estas coisas permanecessem enterradas.

E, como eu sempre digo, não precisam acreditar em nada do que está aqui… examinem bem os dois lados (o meu e o do Papa) e decidam por vocês mesmo qual deles faz mais sentido e tem mais lógica, de acordo com seu grau de consciência.

(Marcelo Del Debbio)

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Eis o Amor...

"A redução do universo a uma única criatura, a dilatação de um único
ser até Deus,
eis o Amor."
(Victor Hugo. Les Miserables.)

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Adiante...

"Quem ama nada exige.
Perdoa sem traçar condições.
Sabe sacrificar-se pela felicidade alheia.
Renuncia com alegria ao que mais deseja.
Não espera reconhecimento.
Serve sem cansaço.
Apaga-te para que outros brilhem.
Silencia as aflições, ocultando as próprias lágrimas.
Retribui o mal com o bem.
É sempre o mesmo em qualquer situação.
Vive para ser útil aos semelhantes.
Agradece a cruz que leva sobre os ombros.
Fala esclarecendo e ouve compreendendo.
Crê na Verdade e procura ser justo.
Quem ama, qual o samaritano anônimo da parábola do Mestre,
levanta os caídos da estrada,
balsamiza-lhes as chagas,
abraça-os fraternalmente e segue adiante..."
.
.
.
(Chico Xavier)

Luxo...

"Minha mãe achava estudo a coisa mais fina do mundo. Não é. A coisa mais fina do mundo é o sentimento. Aquele dia de noite, o pai fazendo serão, ela falou comigo: "Coitado, até essa hora no serviço pesado". Arrumou pão e café, deixou tacho no fogo com água quente. Não me falou em amor. Essa palavra de luxo."
.
.
.
(Adélia Prado)

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Camada...

"As pessoas acham que a alma gêmea é o encaixe perfeito, e é isso que todo mundo quer. Mas a verdadeira alma gêmea é um espelho, a pessoa que mostra tudo que está prendendo você, a pessoa que chama a sua atenção para você mesmo para que você possa mudar a sua vida. Uma verdadeira alma gêmea é provavelmente a pessoa mais importante que você vai conhecer, porque elas derrubam as suas paredes e te acordam com um tapa. Mas viver com uma alma gêmea para sempre? Não. Dói demais. As almas gêmeas só entram na sua vida para revelar a você uma outra camada de você mesmo, e depois vão embora."
 
(Liz Gilbert)

Moinhos de vento...

"Sou uma céptica que crê em tudo, uma desiludida cheia de ilusões, uma revoltada que aceita, sorridente, todo o mal da vida, uma indiferente a transbordar de ternura. Grave e metódica até à mania, atenta a todas as subtilezas de um raciocínio claro e lúcido, não deixo, no entanto, de ser um D. Quixote fêmea a combater moinhos de vento, quimérica e fantástica, sempre enganada e sempre a pedir novas mentiras à vida, num dar de mim própria que não acaba, que não desfalece, que não cansa.”
.
.
(Florbela Espanca)

terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Sol em você...

"Às vezes, a gente constata que só há vazio dentro de nós, que não temos nada a partilhar com o outro, que só há gelo no estômago. Então, alguém se aproxima e suplica por uma meia-palavra, um sinal de amor, uma ajuda vital num instante qualquer. E você ouve a própria voz a proclamar conselhos, se assusta ao ver sua mão estendida e percebe, pasmo, seus gestos de amor entregues ao outro. E, assim, descobre que em meio ao vazio ainda há esconderijos de luz dentro do seu corpo. Tem pessoas que são assim, chegam perto e trazem à tona o sol que há em você."

(Maíra Viana)

.
.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Rota...

"Eu sei que você não vai entender hoje. Talvez nem amanhã ou depois. Porque neste momento parece que você “precisa”, mas acredite, o tempo é sábio e os acontecimentos fazem parte de um processo que nem sempre é dominado por nós. Podemos e devemos planejar o que queremos, mas a idéia de “necessidade” não pode sacrificar cada passo que devemos trilhar. O tempo me ensinou que ignorar os sinais é inútil, que ao contrário, devo treinar meus ouvidos e sentidos para entender cada “não” recebido. Se o caminho não vale a pena não rejeite fazer um desvio. O importante é nada nem ninguém tirar você de sua rota."
.
.
.
(Fernanda Gaona)

sábado, 18 de dezembro de 2010

Pelo menos duas...

“Existiram sempre em mim pelo menos duas mulheres, uma desesperada e desnorteada, que se sentia a naufragar, e outra que queria apenas trazer beleza, graciosidade e vida às pessoas, e que estava pronta a entrar em cena como no teatro, pronta a ocultar as suas verdadeiras emoções, porque elas eram fraqueza, desamparo, desespero, e a apresentar ao mundo apenas um sorriso…”
.
.
.
(Anais Nin)

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Resoluções...

Aquele frio que lhe cortava a alma, era vento forte de tempo fechado ou desilusão dos sonhos bonitos de ontem? Pois, insensível aos apelos do porvir, andava cego às gentilezas da vida e surdo às do coração. Abrigou da dor, no seu colo, a própria vida. E cansado de ser mau jardineiro a pisotear as flores que o tempo um dia o brindou com sementes muitas, queria agora semear presença a adoçar sorrisos e curar feridas. Queria voltar a ser quem nunca foi e, aprender o que ainda não havia aprendido: saber que no palco da vida, ele é na verdade, seu único e próprio antagonista. Cansado de refletir tristezas; passou a espelhar em si, amor; passando com isso a cultivar o novo e com o novo, o bonito. E enquanto bonito, não permitir ir embora a esperança. Há ainda de reconstruir caminhos antigos por onde a serenidade trilhou; a denunciar pelas suas próprias confissões a sua fé e sua vontade de recolher por lá, amor hibernando a despertar faminto. Queria também trazer você pra perto e fazer do teu colo, confessionário. E dos teus olhos, o seu espelho; da paixão, o seu abrigo; e do céu, o seu telhado. Carregava consigo tantas vontades engarrafadas; a guardar em vidro bonito o teu carinho para aqueles momentos em que o cansaço mais chama o nosso nome. Salvar-se-ia de vez, daqui pra frente. E sem resoluções a fazer, ele só queria se olhar e descobrir quem ele era de verdade.

"No entanto, estaremos sempre em perigo enquanto soubermos tão pouco sobre nós mesmos". (Martha Medeiros)

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Dormir...

"Dormir é a melhor coisa deste mundo. Nem leitura, nem diversão, nem uma boa mesa, nada se compara. Sexo então é fichinha perto. É um momento de magia quando você, só cansaço, cansaço da pesada, deita o seu corpo e a sua cabeça numa cama e num travesseiro. Ensaio, prosa, poesia, modernidade, tudo isso vai para o brejo quando você escorrega gostosamente da vigília para o sono. É o nirvana!"
.
.
.
(Raduan Nassar)

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Sanfona...

"Me perdoa por eu querer de uma forma tão intensa tocar em você que te maltrato. Minha mão acostumada com um mundo de chatices e coisas feias fica tão gigante quando pode tocar algo lindo e puro como você, que sufoca, esmaga e estraçalha. Me perdoe pela loucura que é algo tão pequeno precisando de amor e ao mesmo tempo algo tão grande que expulsa o amor o tempo todo. Eu sou uma sanfona de esperança. Eu tenho estria na alma".
.
(Tati Bernardi)

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Sobre meninas e fadas...

"O sol ainda não veio. Minhas mãos estão acanhadas, tateando o escuro. E bem devagar pra não bater nas paredes. Tenho gasto mais tempo com as exterioridades, que com o coração. E uma coisa é certa. Elas têm mais formas que fundo. Outra vez, estão todas duas trancafiadas num porão. A menina da saia de Chita e a Criança Sonho. A vida não tem sido muito educada. Vezenquando um anjo torto as vela. Mas a missão é temporária. Quando anoitece ele se vai. Temos feito um esforço enorme para subir mais depressa a escadaria das fadas, mas ela se quebra com o nosso peso. E nada sobra de cor-de-rosa. É que o homem não tem alimentado as fadas direito. E com isso o jardim encantado ameaça secar. Ele nos toma o direito dos sonhos. E em troca nos dá uma realidadezinha medíocre e ordinária. Mas deixemos as portas abertas e o copo d'agua com açúcar. Uma hora elas devem voltar".

Pipa-Cris. [a duas mãos]

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Amargo...

(...) perdido entre tantos pensamentos que de lá por pouco o distraíam, sua atenção lhe era mais uma vez arrancada do longe. Inevitáveis eram seu retorno e sua fuga, frente ao desespero que o exauria. E ainda que confinado em suas fraquezas, recusava-se a engolir mais uma vez tal desaforo. Sujeito aos caprichos dos que obedecia, aguardava no distante porvir, a sua liberdade. E sentindo reprovação sufocar, tentava estancar choro arranhando garganta e engolindo a seco. Esqueceu-se de quantas vezes havia passado por isso e mal sabia quantas vezes mais ainda enfrentaria tamanha provação. Não sabia mais o quê fazer, nem como argumentar. Via-se assim, derrotado pois, inevitável o sabor amargo. Ia mesmo ter que engolir; os seus legumes. Queria sair para brincar no quintal.

Impulso...

"A vida se aprende nas perdas. É perdendo a liberdade que a gente descobre que não se encaixa, é perdendo alguém que a gente descobre que não vale a pena lutar por futilidades, é perdendo o apoio que a gente descobre que o resto do mundo não para só porque nosso mundo parou. A gente vai aprendendo a viver assim, na marra, no grito, no sufoco, no impulso".
.
.
.
(Verônica H.)

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Gota de mel...

"E tô achando bom, tô repetindo que bom, Deus, que sou capaz de estar vivo sem vampirizar ninguém, que bom que sou forte, que bom que suporto, que bom que sou criativo e até me divirto e descubro a gota de mel no meio do fel. Colei aquele "Eu amo você" no espelho. É pra mim mesmo".
(Caio Fernando Abreu)

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

O encontro...

(...) e foi então que ele a notou; e depois que a viu, passou ali nada mais notar. Entre todas se destoava. Entre tudo se sobressaía. Teria a sorte lhe aprontado assim, tanto? Sem ensaio, sem dar aviso algum de sua visita? Ela estava ali, toda para ele; e delicada, veio perto com sorriso de salvar a gente da tristeza, com perfume de se levar aos campos mais bonitos. Arrebatado, lia todos seus movimentos em tons de encanto e mais fácil se apaixonava. Pensou no que dizer, mas não disse nada. Aliás, disse sim, ao respondê-la sem prestar atenção nas próprias palavras e na pergunta solicita dela. Sem também perceber que hoje, e tão somente hoje ela atenderia a todos os seus pedidos. Ignorou saber pelo turvo fáscinio exercido que aqueles vivos olhos castanhos a decifrar suas vontades e sua doce gentileza, eram apenas truques para conseguir o seu intento. Vender. Ela era definitivamente o seu número. O da sua camisa. E assim se enganou. Às vésperas do Natal, voltaria para trocar.

Um verbo hoje...

 "Vamos jogar aberto. A culpa é minha. Eu dei meu coração. Eu criei expectativas. Então, com sua licença. A culpa é minha. Minha culpa. Minha feia culpa que é minha e de mais ninguém. Minha culpa de sete pontas. Minha culpa que me faz olhar a vida e me sentir personagem principal de uma página triste. E não é só triste. É uma culpa boa. Porque também me faz exercitar um sentimento maior (e mais brilhante que o mundo): o perdão. Se eu pudesse escolher um verbo hoje, eu escolheria perdoar. Assim, conjugado na primeira pessoa, com objeto direto e ponto final: eu me perdôo. Não, eu não te perdôo porque não tenho porque te perdoar. Tenho que perdoar a mim. A mim, que me ferrei. Me iludi. Me fudi. Me refiz. Me encantei. A culpa é minha. Minhas e das minhas expectativas. Minha e das minhas lamentáveis escolhas. Minha e do meu coração lerdo. Minha e da minha imaginação pra lá de maluca. Então, com sua licença, deixe eu e minha culpa em paz. Eu e meu delicioso perdão por mim mesma. Eu só te peço uma coisa. Pare de culpar a vida. Pare de ter pena de você. Se assuma. Se aceite. Se culpe. Se estrepe. Se mate. Mas se perdoe. Pelo amor de Deus, se perdoe." (Fernanda Mello)

sábado, 4 de dezembro de 2010

Cilada...

"Se, por medo da frustração, a gente esquece os sonhos mais preciosos que tem e não espalha ações pelo caminho com a intenção de realizá-los, como eles podem lembrar que a gente existe?"
.
.
.
(Ana Jácomo)

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Nunca cabe...

"A verdade é que a vida é assim, a gente não precisa de tanto quanto imaginamos que precisamos pra ser feliz, a gente precisa só daquilo que cabe aqui dentro e que faz bem, e aqui dentro não cabe muito do que nos fere, nunca cabe."

(Thaisa Schelles)

.
.

Espinho...

"Concede-me, Senhor, a graça de ser boa,
de ser o coração singelo que perdoa,
a solícita mão que espalha, sem medidas,
estrelas pela noite escura de outras vidas
e tira d’alma alheia o espinho que magoa."
.
.
.
(Helena Kolody)

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Político...

Charmoso insensível, sabia bem da arte de capturar corações; e ainda que partisse alguns, tudo bem, outras mais conquistava. Por vezes falava das coisas bonitas do mundo; não porque eram bonitas em si, mas sim porque bonitas eram as pernas de suas interlocutoras. Refinado nos predicados sutis da eloquência, permeava-se pelos corações o seu intento. Colecionar aventuras e romances como diplomas a se gabar na parede de sua sala. Queria marcar territórios, ser aplaudido em todos os seus encontros, conquistar sei lá o quê.  Exercia deste modo, a ditadura do carisma sem se deixar perceber, envolvendo toda e qualquer uma em seu labirinto de elogios; em armadilha emocional de colo e carinho. Sua lábia era seu mel e, resistir era inútil. Queria mais, e muitas e todas. Não apenas para saciar sua lascívia, mas para alimentar sua vaidade desmedida. Aproveitou-se assim, de multidões. Impôs todas suas vontades. Canalhocracia era sua política. Devia renunciar em breve. Havia de pagar.

"Política é a arte de servir-se das pessoas dando-lhes a impressão de estar servindo a elas".

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Inconsciente...

"Tinha vantagens não saber do inconsciente, vinha tudo de fora, maus pensamentos, tentações, desejos. Contudo, ficar sabendo foi melhor, estou mais densa, tenho âncora, paro em pé por mais tempo. De vez em quando ainda fico oca, o corpo hostil e Deus bravo. Passa logo. Como um pato sabe nadar sem saber, sei sabendo que, se for preciso, na hora H nado com desenvoltura. Guardo sabedorias no almoxarifado."
.
.
.
(Adélia Prado)

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Jeito...

"Nossa vida se encaixa de um jeito tão perfeito. Não que todas as nossas peças sejam complementares, mas a nossa vontade nos faz unir cada pedaço, mesmo os que parecem incompatíveis".

(Fernanda Gaona)

sábado, 27 de novembro de 2010

Pacote completo...

"Talvez meu maior pecado tenha sido achar que o desenrolar da vida estava nas minhas mãos. Monopolizei os fatos, conduzi-os como eu - menina iludida - achei que fosse o certo. Os caminhos já estão trilhados, essa é a verdade. Não adianta querer mudar a ordem do espetáculo. Ainda estou no primeiro ato, com o mesmo figurino, do mesmo jeito. Eu sou apenas um pequeno ser humano. E como um exímio exemplar de minha espécie, ratifico cada vez mais a minha miudeza. A questão é que tudo deu errado. Tudo. Quis ser dona do meu império sem saber que não passava de uma pobre serva. Escrava de mim mesma. E agora estou aqui, carregando uma tonelada de mágoas nas costas. Minhas mãos estão calejadas, meu pés estão inchados, meu olhos perderam o brilho. Ao que tudo indica, dessa vez, não haverá luz do fim do túnel. Haverá apenas restos. Resquícios do amor que não vingou, da felicidade que não cresceu, da confiança que se perdeu. Soluços. Mas não os meus soluços, porque todo o meu estoque já foi gasto. Nem o direito às lágrimas eu tenho, vendi junto aos meus sorrisos. Pacote completo. O pessimismo continua. Cresceu, solidificou, se firmou e por aqui permanecerá. O afeto ainda existe, e é por esse afeto que não me entreguei. Até porque eu sei que o caminho não chegou ao fim. Essa é uma das poucas certezas que me restam. Somente quando eu estiver de frente ao abismo é que vou decidir se pulo ou não".
(Rebeca Amaral)

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Amnésia...

Saiu batendo a porta e pisando duro; partiu sem saber pra onde ia. Era a bilionésima vez que discutiam e mais uma vez, ele se descontrolou. Gritou com ela. Escondeu seu Amor nos punhos cerrados de raiva; espantou seu carinho com seus gestos brutos de desespero. As lágrimas que corriam não o deixavam ver o tamanho colossal da sua idiotice. Sentia-se tão certo ainda que estivesse tão errado. Recusou dividir culpa que também lhe cabia. Ignorou a cartilha do saber-cuidar que aprendera a duras penas durante toda sua vida, desaprendendo perdão no constante amargo dos seus avessos. E a vida bonita que é lhe deu abrigo imediato em lição amarga de desatino. Atravessando a rua não viu caminhão que passava. Quebrou ossos pra fazer companhia ao coração partido dela. Bateu forte a cabeça e esqueceu-se de tudo. Aprendeu por amnésia, sumariamente a perdoar; mas levou para sempre na memória o carinho da sua menina que ali o encontrou, despindo-se das próprias feridas para cuidar da sua Alma. Levantou-se outro. Tornou-se melhor.


"Quem pede perdão mostra que ainda crê no amor. Quem perdoa mostra que ainda existe amor para quem crê. Mas não importa saber qual das duas coisas é mais importante. É sempre importante saber que: perdoar é o modo mais sublime de crescer, e pedir perdão é o modo mais sublime de se levantar..."

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Amor quentinho...

"Que todo mundo tenha um amor quentinho.
Descanso pro complicado do mundo. Surpresa pra rotina dos dias.
A quem esperar. De quem sentir saudades.

Um nome entre todos.

O verso mais bonito. A música que não se esquece. O par pra toda dança.
Por quem acordar. Com quem sonhar antes de dormir.
Uma mão pra segurar, um ombro pra deitar, um abraço pra morar.
Um tema pra toda história.
Uma certeza pra toda dúvida.
Janela acesa em noite escura.
Cais onde aportar. Bonança, depois da tempestade.
Uma vida costurada na sua, com o fio comprido do tempo.
.
.
.
(Briza Mulatinho)

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Aquela que amo...

"Aquele que amo
Disse-me
Que precisa de mim.

Por isso
Cuido de mim
Olho meu caminho
E receio ser morta
Por uma só gota de chuva."

(Bertold Brecht)

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Os dois vasos...

Ganhou ele dois vasinhos bonitos que a vida lhe deu; para que assim aprendesse a cuidar de si e de cada uma das flores que em cada qual residia. Apaixonou-se pelas diferenças; das cores e da fragrância gostosa que o encantava. Passaram a enfeitar seus dias em distintas formas e tons que ali abrigavam, ainda que alguns de seus frutos, amargos, nutriam-no em promessas de fartura e longa companhia. Noutro, sempre doces, não havia de vingar, por mais que se satisfizesse o paladar ou contemplasse sua beleza. Em um lhe cabia o zelo para evitar seus espinhos e no outro, apenas o perfume de suas flores. E o  vaso que a ele parecia mais gasto, seria também o mais forte. E no mais formoso, o que melhor parecia acolher as sementes do porvir. Eram os vasos, suas amantes. Seus frutos, seus prazeres. E em cada qual abrigavam todos os seus amores. Eram indispensáveis. Mesmo assim, uma há de morrer pois, no cantinho de sua alma em que o Sol habita, cabe carinho apenas pra uma delas. Não se sabe qual.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Café da manhã...

"É caso de independência ou morte, não tem mais jeito. Já estava na hora de eu tocar o chão com meus próprios pés. Sei que você sente falta do tempo em que a verdade era tão somente aquilo que me diziam. Mas eu preciso encontrar as minhas próprias verdades, elas aguardam por mim lá fora. Jamais esquecerei que foi você quem segurou minha mão todas as vezes que tive medo. Obrigada por tudo, mas daqui para frente eu decido qual direção seguir. Os laços que nos unem agora são unicamente de amor e não mais de dependência. Tenho um encontro marcado com o meu futuro. Não me espere para o jantar. Nem para o café da manhã".
.
.
(Vanessa A. Uma mocinha não tão indefesa)

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Telha...

(...) A forte chuva que caía cantava o teu nome ao encontrar velhas telhas de sua pequena casa, no dia cinza em que habitava. Inundava a rua de lembranças tuas. O aroma do café torrado que fazia lhe era substituto fraco do cheiro da tua pele. Perfume e sorriso tornaram-se retalhos em sua memória. Costurava, assim, as suas dores. E eram as luzes do semáforo as únicas que agora coloriam sua vida, tornada preto e branco. Contava as horas no relógio a espera de não mais esperar lembrar. Pois era a solidão agora, sua companhia. Parceira de jogo que se ganha só.
Jogo de azar, por certo.

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Jeitinho...

"...o que dá trabalho mesmo é viver sempre do mesmo jeitinho. Pois eu quero mais dessa maluquice que me ajuda a reinventar maneiras de estar aqui. Porque para se estar aqui com um pouco que seja de conforto na alma há que se ter riso. Há que se ter fé. Há que se ter a poesia dos afetos. Há que se ter um olhar viçoso. E muita criatividade."
.
.
.
(Ana Jácomo)

domingo, 14 de novembro de 2010

À toa...

"Descobri que sou inteiramente louca.
Louca de pedra
De pau
De ferro
De aço
De louça
E quebro à toa".
.
.
.
-Maria Carmem Barbosa-

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Fôlego...

(...) flores não mais a convenciam. Chocolates idem; poderia comprá-los em qualquer supermercado. Convites ao cinema lhe eram indiferentes, pois, queria mesmo era viver estória bonita ali contada. Um romance de livro talvez. Assim, o cortejo perdeu seu viço; os elogios, a graça. Queria, sim, perder o fôlego, e o juízo. Encontrá-lo num desencontro destes por aí, quem sabe. E assim o esperava.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Resto de fé...

"Meu cão de guarda rosna baixo
para a presença que ele só ouve
e que eu só sinto
ambos não veem
o visitante que se acomoda
sem ser convidado
Sua presença exala tanta solidão
que o deixo ficar
Não imagino quem seja, se:
espectro, imaginação ou resto de fé
mas poucos cruzariam minhas portas trancadas
e após engolidas todas as chaves
quem se atreveria a bater?
A espécie de alma pressente minha angústia
e atravessa paredes
senta-se sem cerimônias no chão
Meu cão, confuso
observa o ar que se movimenta
olha para mim enciumado
como se interrogasse
o que seria mais aquela companhia
c(o)alada no meu rastro".
(Laramaral)

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Uma coisa...

- Agora que sentamos, antes que peçamos o jantar, queria lhe dizer uma coisa. - disse ele, ansioso.
- O que foi?
- Eu cheguei a pensar que algo tão bonito, como o que eu sentia por você, pudesse nos afastar. Por isso, tardei tanto em tentar me aproximar com outros olhares e vontades. Tentar e conseguir, no caso. Fui medroso. Mas encarei todos os meus monstros pra não perder você. Só que perdi sim, pelo tempo em que você foi morar fora e voltou menina feita. Achei que fosse pra sempre, sabe? Doeu demais. Agora, tenho meu mundo aqui, sentada à minha frente. E não vou deixar você nunca mais partir. Vou com você a me dedicar e ser teu fiel servo neste Amor bonito que cultivei em silêncio e agora conto ao teu coração o que canta a minha Alma. Casa comigo?!?!?
- O quê?
- O que o quê?!? Você não aceita?!?!
- Aceitar o quê amor? Pode repetir? Eu estava olhando o cardápio.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

O Evangelho...

A cólera

O orgulho voz induz a julgar-vos mais do que sois; a não suportardes uma comparação que vos possa rebaixar; a vos considerardes, ao contrário, tão acima dos vossos irmãos, quer em espírito, quer em posição social, quer mesmo em vantagens pessoais, que o menor paralelo vos irrita e aborrece. Que sucede então? - Entregai-vos à cólera.

Pesquisai a origem desses acessos de demência passageira que vos assemelham ao bruto, fazendo-vos perder o sangue-frio e a razão; pesquisai e, quase sempre, deparareis com o orgulho ferido. Que é o que vos faz repelir, coléricos, os mais ponderados conselhos, senão o orgulho ferido por uma contradição? Até mesmo as impaciências, que se originam de contrariedades muitas vezes pueris, decorrem da importância que cada um liga à sua personalidade, diante da qual entende que todos se devem dobrar. (...)

Ah! se nesses momentos pudesse ele observar-se a sangue frio, ou teria medo de si próprio, ou bem ridículo se acharia! (...) Se ponderasse que a cólera a nada remedeia, que lhe altera a saúde e compromete até a vida, reconheceria ser ele próprio a sua primeira vítima. Mas, outra consideração, sobretudo, devera contê-lo, a de que torna infelizes todos os que o cercam. Se tem coração, não lhe será motivo de remorso fazer que sofram os entes a quem mais ama? (...)

Em suma, a cólera não exclui certas qualidades do coração, mas impede se faça muito bem e pode levar à prática de muito mal. Isto deve bastar para induzir o homem a esforçar-se pela dominar. O espírita, ao demais, é concitado a isso por outro motivo: o de que a cólera é contrária à caridade e à humildade cristãs.

(Um espírito protetor. O evangelho segundo o espiritismo.)

sábado, 6 de novembro de 2010

Amor-impróprio...

"Me perdi dentro do que ainda sou. Sem vírgulas que me pausassem nem verbos fracos. Foi intenso. Sempre solvi o presente até quando houvesse, até quando o frio na barriga continuasse e as borboletas permanecessem ali batendo asas sem voar para longe. Só dentro de mim. Sou um poço de contradições quando estou no seu mar de emoções previsíveis. Arrumo as malas enfileirando minhas ânsias, guardo a saudade num bolso qualquer e salto do trem sem me preocupar com o caminho a ser percorrido, nem o tamanho da queda. O que pode ser pior do que essa minha leveza que lhe move o coração? O que pode ser melhor do que me dá as mãos, retribuir o meu amor impróprio e seguir com os dois pés ainda que um terceiro fique perdido? Sou fácil de sentir, de envolver. Aceitei a fé indispensável, o tempo que se prolonga quando acorda – se cedo e até decorei meu coração para um novo amor próspero e desesperado. Só não aprendi a seguir a mesma linha e escrever o mesmo verso. Tenho um sonho que não dorme e sou tão flexível que abraço qualquer bom defeito modificando a última página. Talvez não seja sábio trocar o certo pelo incerto e ser feliz pela metade. O bom da vida sobrevive ai dentro. Quando se vive todos os tempos, conjuga – se todos os verbos do doce - amargo presente e não esquece o passado como se nunca o tivesse vivido. Transfiro - o para um futuro distante".

(Priscila Rôde)

.
.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Lições...

(...) atração magnética ia muito além das aulas do colégio. A presença dela o paralisava. E ele queria desenhar todo seu futuro, juntos, a partir dali. Mediu as possibilidades; calculou os erros; considerou o horóscopo, cor da roupa, pernas cruzadas, olhar de soslaio, direção do vento e calou insegurança. "Se tal silêncio nos afasta, qual palavra nos aproxima?" - pensou ele; e decidiu arriscar um "oi!".

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Infusões...

“A compreensão humana não é um exame desinteressado, mas recebe infusões da vontade e dos afetos; disso se originam ciências que podem ser chamadas “ciências conforme a nossa vontade”. Pois um homem acredita mais facilmente no que gostaria que fosse verdade. Assim, ele rejeita coisas difíceis pela impaciência de pesquisar; coisas sensatas, porque diminuem a esperança; as coisas mais profundas da natureza, por superstição; a luz da experiência, por arrogância e orgulho; coisas que não são comumente aceitas, por deferência opinião do vulgo. Em suma, inúmeras são as maneiras, e às vezes imperceptíveis, pelas quais os afetos colorem e contaminam o entendimento.”
(Francis Bacon. Novum organon.)

Cheiro...

"Ah, fumarás demais, beberás em excesso, aborrecerás todos os amigos com tuas histórias desesperadas, noites e noites a fio permanecerás insone, a fantasia desenfreada e o sexo em brasa, dormirás dias adentro, noites afora, faltarás ao trabalho, escreverás cartas que não serão nunca enviadas, consultarás búzios, números, cartas e astros, pensarás em fulgas e suicídios em cada minuto de cada novo dia, chorarás desamparado atravessando madrugadas em tua cama vazia, não conseguirás sorrir nem caminhar alheio pelas ruas sem descobrires e algum jeito exato dele, em algum cheiro estranho o cheiro preciso dele..."
(Caio F. Abreu)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Persona...

Depus a máscara e vi-me ao espelho.
Era a criança de há quantos anos.
Não tinha mudado nada...
É essa a vantagem de saber tirar a máscara.
É-se sempre a criança,
O passado que foi
A criança.
Depus a máscara, e tornei-a a pô-la.
Assim é melhor,
Assim sem a máscara.
E volto à personalidade como a um términus de linha.
.
.
.
(Álvaro de Campos)

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Bandeira...

"Eu gosto de dinheiro. Você também.
Até aí, não há novidades.

Mas nem tudo é dinheiro. Sério.

Este blog é o exemplo mais acabado disto. Me toma tempo, mas é minha terrapia, brodagem.

Mas falo também de outras coisas, num sentido mais amplo.

Tem até aquela história clássica da Madre Teresa de Calcutá que, recebendo um embaixador americano numa obra social lá dela – que era desenvolvida de maneira absolutamente caridosa e sem nenhum proveito financeiro (é assim que diz a lenda) -, ouviu:

- Madre, eu não faria isso que a senhora faz nem por 10 mil dólares por mês.
- Acredite: nem eu faria isso por dez mil dólares.

Eu tenho umas 550 páginas de reclamações e umas duas monografias de doutorado de discordâncias a respeito da famosíssima Madre Teresa de Calcutá. Nem sei se a história é verdadeira. Mas o cerne da questão levantada pela historinha, independente de sua veracidade, é ainda legítimo.

É só grana mesmo?
Por que você acorda todo dia de manhã e sai de casa correndo fingindo apressado?
O que te faz achar que vale a pena dispender tempo e energia num relacionamento de qualquer espécie (amoroso, de amizade, de companheirismo) com uma pessoa e não com outra?

O que você espera deixar de legado?

O que você espera encontrar do ladelá?
Qual a sua bandeira?
No que você acredita?
Quais expectativas você aceita que sejam subvertidas e quais vão te causar uma puta desilusão?

O que te move?

Se você faz as perguntas certas, você já tá no campo de batalha".
.
.
.
(Jojó da Babá. daqui.)

domingo, 31 de outubro de 2010

Satisfação...

"Hoje acordei estranhamente feliz, feliz era o que eu conseguia identificar naquele momento, mas com o passar das horas, acabei identificando o sentimento, era o sentimento de satisfação. Satisfação é quando tudo externo está meio despingoletado, mas internamente você se sente satisfeito, como se todas as vírgulas estivessem no lugar exato e vc não precisasse mudar nada. É um sentimento novo, que não vem com todas as incertezas da paixão ou a desconfiança da felicidade que trás o medo de não continuar sendo feliz. É a satisfação pura e simples. Ela não vem exultante como a alegria, nem é sublime como o contentamento, mas é dotada de toda a paz que se precisa. É como aquela refeição maravilhosa que você come lentamente, saboreando, e depois vem a satisfação, nem o mais maravilhoso prato é capaz de te tentar, você se sente feliz com a escolha da sua refeição, você não mudaria nada. E foi com esse estranho e novo sentimento que tentei explicar a mim que a tal felicidade que buscamos talvez seja isso. Talvez seja a porra da paz que as pessoas tanto procuram, talvez por isso compramos e comemos tanto, porque não sabemos onde mora a satisfação, mas não confundamos satisfação com comodismo, satisfação é saber parar quando tudo está bem, ao invés de procurarmos motivos para continuar caçando a tal felicidade, quando souber identificar a satisfação e tiver um breve namoro com ela, pare um tempinho para contemplá-la, você saberá do que escrevo. Uma vez uma velha sábia muito espertona disse: “talvez o amor seja estar em um lugar e não querer estar em nenhum outro.” Diga-se de passagem, essa velha sábia espertona sou eu".
(Cristal. daqui.)

sábado, 30 de outubro de 2010

Necessidade...

"Enquanto não superarmos a ânsia do amor sem limites,
não podemos crescer emocionalmente.
Enquanto não atravessarmos a dor de nossa própria solidão,
continuaremos a nos buscar em outras metades.
Para viver a dois, antes, é necessário ser um".
.
.
.
(Fernando Pessoa)

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

E de mais ninguém...

"Aos pares vêm as asas, vêm as amizades, vêm os amores. Dois. Ainda é o melhor jeito de dançar uma canção e você ainda é a pessoa que eu elejo para me livrar da imparidade. Muito embora você me seja quase sempre insuportável, você ainda me é infinitamente necessário. Eu não consigo parar de girar, de trocar os pés ainda que desordenadamente e, mesmo que tropeçando sempre nos mesmos passos, trocar de par ainda é mais doloroso. Queria te ser insuportável também e assim poder começar a ter alguma esperança a respeito do acaso, da espera e dos pares de lágrimas sempre bem guardados no meu travesseiro. Essa música toca incessantemente em mim. Vitrola estragada, disco arranhado, cd no repeat. Você me gira e me abraça sem ao menos desconfiar sobre quem eu sou sem você por perto. Você conduz os meus passos e me olha nos olhos sem ter a mínima noção sobre a bagunça que você deixou aqui dentro e que, ainda assim, consegue despertar o que eu tenho de melhor em mim. Você me volve para baixo e segura a minha mão sem nem sequer supor sobre todo o tormento que você me causa, nem sobre toda a paz que você me devolve. Eu sou uma mulher, que não sabe dançar, se aventurando em alguns passos arriscados. Eu sou o tudo e o nada de que a gente sempre falava, mas nunca conseguiu entender. Eu sou a espera. Eu sou tanta coisa, sou tantas em uma só, sou única e sou sua. Culpo a você por eu viver sempre pelo avesso. Agradeço a você por viver tudo tão intensamente, por sorte ou não, ainda é melhor do que não sentir. E, em meio aos meus exageros de sempre e todas as minhas bobices, você me reponde apenas com “Eu te amo”. Acho graça. É que o amor se torna complicado justamente por ser tão simples. Mas, se você me rodopiar de novo, tirar meus pés do chão por um momento que dure toda a vida, eu te juro, meu bem, que serei seu par apenas e de mais ninguém". (Gabi Castro)

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Vazio...

"As pessoas gastam uma vida inteira buscando pela felicidade; procurando pela paz. Elas perseguem sonhos vãos, vícios, religiões, e até mesmo outras pessoas, na esperança de preencherem o vazio que as atormenta. A ironia é que o único lugar onde elas precisavam procurar era sempre dentro de si mesmas."
.
.
.
(Ramona L. Anderson)

Desperceber...

"A gente precisa de amor pra viver, um amor daqueles que deixa marcas, que é sincero, que é real. A gente precisa de um amor que nos complete, que entenda nossas angústias e que nos abrace quando não houver mais nada que possa ser feito. A gente precisa de um amor, que seja amigo, que seja amante, que seja intenso. Os desejos nos corrempem, as paixões nos cegam e o amor nos transforma. Amar é uma mudança, a gente nunca permanece igual depois de ter amado. Enquanto a vida ensina, corre e nos corrige, o amor nos molda despercebidamente".
.
.
.
(Thaísa Schelles)