domingo, 31 de maio de 2009

Coragem

A vida exige enorme coragem. Apesar de todos os medos, temos que começar a viver. E a vida é insegurança. Se você ficar preocupado demais com proteção e segurança, você permanecerá confinado a um pequeno cantinho, quase em uma prisão. Será seguro, mas não será vivo, não terá aventura, não terá êxtase.
. (Osho)

sexta-feira, 29 de maio de 2009

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Tu me habitas...

Às vezes tu me habitas como ruídos a uma casa,
como marcas a um rosto que por elas se define
e te lembrar é voltar ao que há de mais meu em mim mesma,
à parte de mim mesma que me revela e me assombra.

Às vezes eu quase te esqueço,
quase te perco
e quase sou completamente triste
e quase sou completamente outra
sem a interrogação onipresente dos teus olhos,
sem a incompreensão cúmplice da tua voz.

Estás em mim e não há nada a fazer,
mesmo a meio da noite,
quando és um vazio cheio de pontas,
mesmo a meio da frase,
quando és um gole de ar no lugar do teu nome.

Tu és meu porque de ti sou feita
e negar-te a mim seria parir-me ao contrário.

Aceito assim meu ofício de habitar-me tu -
ainda que a mim nunca regresses,
mesmo que de mim jamais tenhas partido.

(Patricia Antoniete)

quarta-feira, 27 de maio de 2009

O caos do caminho...

“Eu não consegui fazer você feliz”, ela disse chorando. “Isso é o que me dói mais. Seus olhos tristes. Essa a imagem que vai ficar gravada em mim para sempre. Nunca te disse. Quantas vezes eu quis te pegar no colo por causa desses olhos tristes.”
.
Era uma conversa de fim de caso, em que os dois fazem um balanço melancólico das perdas e ganhos, em que o casal desfeito tenta entender o que deu errado, o que fez as ilusões do início se perderem, o que fez os braços de desenlaçarem. Em geral são conversas inúteis. Quase sempre um atira no outro a responsabilidade pelo naufrágio amoroso. Sartre disse que o inferno são os outros, e isso é uma verdade quase absoluta no amor. Raras vezes cada um admite sua parte e quando isso acontece tem-se o que se pode chamar de contribuição milionária dos erros. Cada um tem a chance de corrigir seus equívocos em futuros amores.
.
Aquela era uma conversa do tipo raro. Não havia amor entre eles fazia tempo, e ambos sabiam. O que os ligara um dia se dissolvera inteiramente. Apenas protelaram o adeus. Mas havia uma vontade neles dois em entender com profundidade o que acontecera. E era essa vontade que explicava a conversa honesta naquele momento.
.
“Você não teve culpa nenhuma em não me fazer feliz”, ele disse. “Quem poderia me fazer feliz? Eu mesmo. Mas. Mas. Sei lá. Isso era um projeto acima das minhas forças. Acho que eu tentei. Mas jamais tive força suficiente para me fazer feliz. Olho ao meu redor. Vejo pessoas infelizes a meu redor e me pergunto: qual delas foi bem-sucedida na tarefa de se fazer feliz?” .
Schoppenhauer escreveu que a pior coisa que poderia acontecer a alguém era nascer. Dores, perdas, decepções. Morte. Schoppenhauer foi influenciado pelas filosofias orientais. A verdade essencial do budismo é que viver é sofrer. Alguns dias antes dessa conversa de final de caso Woody Allen dera uma entrevista na qual dissera que viver é sofrer. Allen, autor de dois filmes essenciais para quem gosta de grande arte no cinema, Annie Hall e Manhattan, não fora original na frase, mas verdadeiro. Mesmo o sorriso do Dalai Lama parece forçado se você observa o esgar de sua boca com senso crítico e não com devoção.
.

“Durante muito tempo eu também me senti culpado de não fazer você feliz”, ele disse. “Eu era pretensioso. Achava que podia controlar tudo. Até a sua taxa de felicidade. O tempo me mostrou que os mais infelizes entre os infelizes são aqueles que querem controlar tudo. Quando eles percebem que não podem, se sentem desesperadamente impotentes. Depois eles enchem os consultórios dos psiquiatras e tomam loucamente antidepressivos em busca de conforto para a pretensão destruída.”
.

“Um dia eu achei que nós podíamos ser felizes juntos”, ela disse. “Achei não. Tive certeza. Naqueles dias. Os primeiros. Eu revi as fotos para ver se era fantasia minha. Não. Nós estávamos felizes. De verdade, não de mentirinha.”
.

Passou por ele um trecho de Anos Dourados, a melhor parceria de Tom Jobim e Chico Buarque. Na fotografia estamos felizes.
.

“Minha mãe lá em cima e nós no tapete. Lembra?”
.

A mãe dela falava ao telefone demoradamente na parte de cima do sobrado. Eles aproveitavam para se engalfinhar no tapete branco e macio. Sabiam pelo barulho do telefone quando a mãe enfim terminara a conversa. E se recompunham.
.

Ele sorriu. Lembrava bem as tardes quentes no tapete. Mais tarde a tagarelice da mãe dela o incomodaria, mas ali era uma bênção.
.

“Onde foi que nos perdemos, onde foi?”, ela disse.
.

“Não sei. A vida nos perdeu, acho. Ninguém caminha junto uma vida inteira. O tumulto das coisas faz com que as pessoas se percam umas das outras. Irmãos se perdem de irmãos. Amigos se perdem de amigos. Amores eternos se perdem também no caos do caminho.”
.

“Aquelas tardes”, ela disse. “Elas existiram mesmo?”
.

“Existiram. Elas talvez nos compensem de tanta dor que trouxemos depois um ao outro. E nelas fomos de alguma forma felizes para sempre.”
.
.
.
(Fábio Hernandez)

terça-feira, 26 de maio de 2009

Para os que virão...

"Como sei pouco, e sou pouco,
faço o pouco que me cabe
me dando inteiro
Sabendo que não vou ver
o homem que eu quero ser.

Já sofri suficiente
para não enganar a ninguém:
principalmente aos que sofrem
na própria vida, a garra da opressão, e nem sabem.

Não, não tenho o sol escondido
no meu bolso de palavras.
Sou simplesmente um homem
para quem já a primeira
e desolada pessoa
do singular - foi deixando,
devagar, sofridamente,
de ser para transformar-se,
- muito mais sofridamente -
na primeira e profunda pessoa
do plural.

Não importa que doa: é tempo
de avançar de mão dada
com quem vai no mesmo rumo,
mesmo que longe ainda esteja
de aprender a conjugar
o verbo amar.

É tempo sobretudo
de deixar de ser apenas
a solitária vanguarda
de nós mesmos.
Se trata de ir ao encontro.
(Dura no peito, arde a límpida
verdade de nossos erros.)
Se trata de abrir o rumo.

Os que virão, serão povo,
e saber serão, lutando."
.
.
.
(Thiago de Mello)

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Somente Tu...

Não me vejo nos braços de ninguém,
recuso sentir outras mãos em mim,
não dou carinhos a qualquer alguém,
se não te tenho, amor, prefiro assim!

Impossível estar em outros braços,
ter outros lábios colados aos meus,
acariciar alguém sem embaraços,
ter carinhos que não sejam os teus.

Distante de ti, sofro e não sossego,
a mais ninguém dedico tanto amor.
A ti, tudo permito e a ti me entrego.

O teu prazer me deixa sem pudor,
as loucuras que queres não te nego.
É desse jeito que eu entendo o amor.
.
.
.
(Suribella)

domingo, 24 de maio de 2009

Jamais...

...tome um laxante e um calmante na mesma noite!

sábado, 23 de maio de 2009

Por fora...

...bela viola. Por dentro, pão bolorento.

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Sonho...

”Não é o desafio com que nos deparamos que determina quem somos e o que estamos nos tornando, mas a maneira como respondemos ao desafio. Somos combatentes, idealistas, mas plenamente conscientes. Porque o ter consciência não nos obriga a ter teoria sobre as coisas, só nos obriga a sermos conscientes. Problemas para vencer, liberdade para provar. E, enquanto acreditarmos no nosso sonho, nada é por acaso.” (Henfil)

terça-feira, 19 de maio de 2009

Confusão...

- te devoraria tal caetano a leonardo di caprio
- isso é música, é?
- é, mas também é o que eu sinto quando cruzo olhares contigo
- obrigada, mas não quero não
- é, eu sei
- mas nem esquenta, caê, tem mais quinhentas por aí que seriam o seu leonardo di caprio num estalar de dedos
- é, eu sei
- então...
- ...
- ai, menino, tudo menos silêncio, acho desesperador, constrangedor, sei lá
- não tenho nada pra dizer, além do que já disse
- ah, sabe o que é... espero que você entenda, é que não me envolvo com garotos solteiros
- hein?
- não me envolvo com garotos solteiros
- mas quem falou em envolvimento?
- ah, que fosse uma noite e nada mais, pra mim já é um tipo de envolvimento, sabe... sou reservadona, sensível, moro no alto da torre do castelo, qualquer pele com pele já é um tipo de violação pra mim, quer dizer, envolvimento, coisa sagrada, sabe, eu sou assim, fazer o quê? espero que você entenda
- é, você sempre espera que eu entenda
- isso
- mas mesmo que role um carinho, qual o problema? não quer dizer que vai ficar apaixonadona e que vai sofrer por minha causa, é só uma amizade que rola algo a mais, uns beijinhos de vez em quando, um sexo gostoso...
- hahaha, garoto convencido, se liga, apaixonada eu? mesmo se eu sentisse alguma coisinha a mais de especial por você não desceria do salto, você nunca saberia, nem uma dica sequer, sou clássica, e essa coisa de amizade com sexo não rola, são princípios da minha vovó, tradição é tradição, sublimo com sorvete e seriados na tv a cabo
- e qual o problema de demonstrar algum afeto, baixar um pouco a guarda?
- eu não, vai que você me convence...
- se tem medo de ser convencida é porque quer que role, só não tem coragem... não?
- ihh, quer saber, você faz muitas perguntas, me irrita, me atrapalha... tinha de ser solteiro, né? quando bati o olho na sua mão e não vi aliança já sabia que era confusão à vista
- mas o que você tem contra solteiros?
- ué, não gosto de sofrer não
- sofrer?
- isso, a possibilidade de compromisso me arrepia, sabe, eu sou assim mesmo, prefiro homens casados ou que namoram, eles sabem os limites, não ficam atrás de você esperando algo a mais, querem ir direto ao ponto e fim de papo, solteiros não, procuram relacionamento, uma nova mãe, eu tô fora, já tenho um hamster que me consome muita atenção, cruzes!
- mas sou um solteiro diferente, ajo feito casado ou compromissado, fico na minha, nem vou querer algo mais sério depois, a amizade continua normal, apenas a cumplicidade aumenta
- não vai mesmo querer algo mais sério depois?
- não!
- e por que não? você não me acha bonita o suficiente? não sou boa o suficiente pra ser sua namorada?
- eu não disse isso
- então disse o quê? acha que sou bobinha? que não entendo nas entrelinhas? tudo bem, tudo bem, eu consigo superar... seu grosso
- mas você mesma disse que...
- não precisa ficar se explicando, tudo bem, eu sou assim mesmo, espero que você entenda
- eu realmente não estou entendendo mais nada
- pois é, homens, todos iguais, nunca entendem nada, depois nós é que somos complicadas
- olha aqui pra mim, pára de chorar, por favor, vai
- tá tudo bem, vou ficar bem
- eu não quis dizer aquilo que... que disse
- me leva pra casa?
- mas...
- eu sabia que você seria dor de cabeça na certa
- tô quieto
- você tem chocolate aí?
- chocolate???
- é, cacau, açúcar...
- eu tô aqui falando sério e você com esse papo de doce?
- ai ai ai, vamos embora, vai
- ...
- vamos, cafa
- hmm...
- esse seu olhar me mata, menino
- esquece o certo e o errado, vamos aproveitar enquanto existe vida
- dramático
- sou
- xavequeiro
- sou
- charmoso
- sou?
- tentador
- sou?
- ai ai
- quê?
- vamos, meu caetaninho, vamos
- pra onde?
- demorou...
- hmmm
- é, caê, menino abusado, vamos
- pois não, madame di caprio, e vamos pra minha ou pra sua casa?
- melhor pra sua, né... se formos pra minha acho que meu marido não vai gostar

.
.
.
(Nelson Botter Jr.)

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Preguiça x Trabalho...

Hoje eu estou mais ou menos assim. Só lembrando que estes mandamentos são fictícios e acho que não condizem com a realidade…

1 - Viva para descansar.

2 - Ame a sua cama, ela é o seu templo.

3 - Se vir alguém descansando, ajude-o.

4 - Descanse de dia para poder dormir à noite.

5 - O trabalho é sagrado, não toque nele.

6 - Nunca faça amanhã, o que você pode fazer depois de amanhã.

7 - Trabalhe o menos possível; o que tiver para ser feito, deixe que outra
pessoa faça.

8 - Calma, nunca ninguém morreu por descansar, mas você pode se machucar
trabalhando…

9 - Quando sentir desejo de trabalhar, sente-se e espere o desejo passar.

10 - Não se esqueça, trabalho é saúde. Deixe o seu para os doentes

sábado, 16 de maio de 2009

"Clara"

_Quando eu morrer, mãe, vai doer?
_Vai. Mas não se assuste.
Como quando se nasce,
é uma dor que se esquece.
.
.
.
(Carmem)

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Rubem Alves...

"... Todo jardim começa com uma história de amor, antes que qualquer árvore seja plantada ou um lago construído é preciso que eles tenham nascido dentro da alma. Quem não planta jardim por dentro, não planta jardins por fora e nem passeia por eles..." (Rubem Alves)

terça-feira, 12 de maio de 2009

Amor maduro...

"... O amor maduro é a valorização do melhor do outro e a relação com a parte salva de cada pessoa. Ele vive do que não morreu, mesmo tendo ficado para depois, vive do que fermentou criando dimensões novas para sentimentos antigos, jardins abandonados, cheios de sementes..." (Artur da Távola)

domingo, 10 de maio de 2009

Terapia...

- E então, Alexandra, como foi da última sessão para cá? Quer dizer algo?

- Foi bem curioso.

- Curioso?

- É que nunca tinha me acontecido isso. E acho que você sabe…

- …sabe o quê?

- Que eu não sou uma vaca.

- Hum, hum.

- Quando terminei com o Norberto, falei na última sessão que terminei com o Norberto, não falei?

- Falou.

- É, terminei com ele e, uns dias depois, fui pro Rio.

- Me recordo de você ter tido que ia viajar.

- Fiquei lá quietinha, trabalhando que nem uma maluca na filial carioca. Do escritório pro hotel, do hotel pro escritório. Só que na volta, quando tomei o táxi em Congonhas, já fui pegando o celular e mandando torpedos, torpedos, torpedos. Pra todos os caras que trombei na vida. Uma loucura.

- Por que loucura?

- Rolou uma coisa que eu tinha que dar pra alguém. E tinha que ser meio imediato, entende? Não sei direito o porquê.

- Hum, hum.

- Dar, estou dizendo DAR, Giorgio. Trepar, foder, percebe?

- Sim.

- Não faz essa cara, por favor? Parece que eu digo isso e é como se estivesse falando que vou comprar chicletes na padaria.

- O que pensa disso?

- Não pensei em nada, Giorgio, simplesmente agi. O cara do táxi era um senhor, mas bem cuidado, sem barriga, odeio homem barrigudo. Cruzei as pernas no banco de trás e fiquei mostrando a calcinha pro espelho dele. Se a minha ideia era dar, trepar, foder, por que não fazer isso com aquele ali? Nunca dei pra taxista.

- E aconteceu?

- Esse é o problema. Não aconteceu. O tiozinho me ignorou. Ele dava mais atenção ao GPS no párabrisa daquela merda de Corsa do que nas minhas coxas, na minha calcinha branca da Victoria Secret. Mas você me conhece, não sou de desistir. Fui pra meu apartamento, chorei, chorei, chorei. Depois tomei um banho ainda chorando, uma vodiquinha, me perfumei, botei minissaia e decote pra ir à luta.

- A ideia de fazer sexo imediatamente ainda persistia, Alexandra?

- De fazer sexo não, Giorgio. De dar, de trepar, de foder!

- Sim.

- Bom, liguei pra um restaurante japonês e pedi um sushi. O motoboy do restaurante subiu. Quando entrou na minha sala, me pegou sem a parte de cima da blusa.

- Hum, hum.

- Caprichei na cara de tarada praquele rapazinho espinhento, sujo de graxa, lindo.

- E conseguiu seu intento dessa vez?

- Não.

- Por quê?

- O menino era um cagão, Giorgio. Jogou o sushi de qualquer jeito em cima de uma mesinha de apoio belle-époque que tenho e desceu correndo escada abaixo…

- Entendo.

- Não, você não entende, Giorgio. Uma mulher jovem, bem sucedida, bonita, cheirosa querendo dar pra qualquer um e ninguém quer pegar?

- E depois?

- Bom, chorei, chorei, chorei e fui em frente. Liguei pra um colega meu, diretor de arte da agência de propaganda que apresenta as campanhas pra nossa empresa.

- Sim.

- Putz, foi a melhor imitação da voz da Carla Bruni que fiz, cara. Se o dono de uma empresa de tele-sexo me ouvisse contratava na hora. Marquei com ele à noite num barzinho da Vila Madalena.

- Compreendo.

- É, você compreendeu, mas ele não sacou nada. Nada. Tomamos vinho espanhol, comemos uns tapas e, lá pelas tantas, pedi para irmos embora. Só que ele não dizia nada. Aí tomei a iniciativa. Convidei o bonitão pra ir à minha casa.

- E ele foi?

- Foi e brochou.

- Sim?

- Sim, a brochada mais sensacional do universo.

- Sensacional?

- O sujeito não só brochou como teve uma queda violenta de pressão. Acabei a noite com ele num pronto-socorro cardiológico.

- E o que você tirou disso?

- Tirei que um pronto-socorro é um ótimo lugar pra se encontrar homem interessante. Enquanto o atendiam, fiquei conversando com um motorista de ambulância. Um cara meio índio, caladão, rude, mas intrigante, sabe?

- E então?

- Fui direta com ele, com pessoas menos sofisticadas é possível ser assim, você sabe. Olhei no fundo dos olhos do bad boy e disse: “olha, querido, eu percebi que você estava olhando pra minha bunda - e aí, quer me comer ou não quer?” A princípio, ele desconfiou. Mas, diante da minha certeza, topou ir comigo a um quarto de enfermaria.

- Satisfez, portanto, a sua pulsão, imagino.

- O caralho, Giorgio, o caralho! Bem na hora que a gente se pegou, tocou o Nextel do índio. Tinham atropelado uma velha na Nove de Julho e ele precisava correr pra lá de sirene ligada…

- Compreendo, Alexandra. E o que pensa fazer a partir dessa experiência?

- …

- O que pensa fazer?

- …

- Alexandra, pára de me olhar desse jeito!

.

.

.

(Carlos Castelo)

sábado, 9 de maio de 2009

Liberdade...

"A liberdade dá medo. As pessoas falam sobre a liberdade, mas elas têm medo. E um homem não é homem ainda se ele tem medo da liberdade. Dou a você a liberdade; não dou segurança. Dou a você entendimento; não dou conhecimento. O conhecimento lhe traz certezas. Se posso dar a você a fórmula, uma fórmula pronta, de que existe um Deus, existe um Espírito Santo e um único filho bem amado, Jesus; existe um inferno e um céu e existem boas ações e más ações; cometa um pecado e irá para o inferno, pratique o que chamo de atos virtuosos e você irá para o céu – acabou! -, então você tem certezas.
.
É por isso que tantas pessoas optam por ser cristãos, hindus, muçulmanos, jainistas – elas não querem liberdade, querem fórmulas fixas.Um homem estava morrendo – de repente, num acidente de estrada. Ninguém sabia que ele era judeu, então chamaram um padre, um padre católico.
.
Ele se curvou bem próximo ao homem – e o homem estava morrendo, nos últimos estertores da morte – e disse:- Você acredita na Trindade do Pai, do Filho e do Espírito Santo e em seu filho Jesus? Veja só! – respondeu o homem, abrindo os olhos -, eu aqui morrendo e ele fazendo charadas!"
.
.
.
(Osho)

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Venci...

"Porque eu cresço para ti
sou eu dentro de ti
que bebe a última gota
e te conduzo a um lugar
sem tempo nem contorno
Porque apenas para os teus olhos
sou gesto e cor
e dentro de ti
me recolho ferido
exausto dos combates
em que a mim próprio me venci..."


(Mia Couto)

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Perigo...

"Evitar o perigo não é mais seguro do que viver exposto a ele. A vida é uma grande aventura ou então, não é nada." (Helen Keller)

terça-feira, 5 de maio de 2009

Crenças..


... estudar pra quê?

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Sombras...

"Nunca tema as sombras. Elas simplesmente significam que existe luz em algum lugar por perto." (Ruth E. Renkei)

sábado, 2 de maio de 2009

O elogio do ciúme...

Nada é mais santo, nem mais sagrado do que o ciúme. O ciúme é a sentinela que nunca dorme: ele é para o amor o que o mal é para o homem, um verídico aviso. Quanto mais uma mulher castigar com ciúme um homem, mais ele lamberá, submisso e humilde, o bastão que ao bater-lhe lhe diz quanto ela se interessa por ele.
.
.
.
(Balzac)

sexta-feira, 1 de maio de 2009