sexta-feira, 2 de maio de 2008

Soneto VIII - O Tempo...

Deus pede estrita conta de meu tempo,
É forçoso do tempo já dar conta;
Mas, como dar sem tempo tanta conta,
Eu que gastei sem conta tanto tempo?

Para ter minha conta feita a tempo
Dado me foi bem tempo e não foi conta.
Não quis sobrando tempo fazer conta,
Quero hoje fazer conta e falta tempo.

Oh! vós que tendes tempo sem ter conta
Não gasteis esse tempo em passatempo:
Cuidai enquanto é tempo em fazer conta.

Mas, oh! se os que contam com seu tempo
Fizessem desse tempo alguma conta,
Não choravam como eu o não ter tempo.

(Laurindo Rabelo)

Um comentário:

luz disse...

Gostei muito dos teus textos tbm...
Sou amigo da Vivi.Vira-lata.
E sou de Santos tbm.
Bom vc jpa esta nos meus links.
Abraço