sábado, 28 de setembro de 2019

Talvez...

Talvez, no seu leito de morte, nos últimos instantes desta vida, você descubra que a inevitável coragem para morrer pudesse ter sido a coragem que você não usou para viver. Talvez, no seu leito de morte, você se arrependa de ter permanecido no trabalho que te consumiu a alegria. Talvez você se doa por não ter dado um basta no relacionamento infeliz, arrastado pelos anos por medo de não saber o que pudesse vir depois. Talvez você lamente por ter se preocupado tanto com o seu peso e tão pouco com a sua saúde. Talvez você se ressinta de ter deixado passar tantos momentos que poderiam te levar além, mas que você se encolheu junto ao temor pelo que os outros poderiam pensar. Talvez esteja claro que você não se levou adiante e, agora, sem poder sair da cama descubra que você poderia ter ido onde quisesse. Talvez você perceba o quanto cultivou mágoas e culpas, raivas, angústias e ansiedades a lhe ocuparem o tempo, o peito e a te afastarem do amor - próprio - e da sua própria paz. Talvez, no seu leito de morte, você se convença de que poderia ter sido mais, feito mais, sentido mais, realizado mais, arriscado mais e que não fez, não foi e não realizou não por culpa dos seus pais, do seu marido, da sua esposa, dos seus filhos, do seu patrão e sim por você ter acreditado nisto. E então você perceba o quanto entregou o seu poder pessoal na mão dos outros e se convenceu com o pretexto de que foram os outros que te impediram de viver e ser feliz. Talvez, no seu leito de morte, antes de dormir você desperte.

O bom é que você ainda não morreu.

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Alma gêmea...

(Fonte: Pinterest)

O Amor nas suas diversas formas como expressão do Ser é um dos aprendizados que buscamos nesta vida e, uma destas formas é a do amor na relação com um parceiro. A alma gêmea é alguém que se conhece desde outras épocas, de uma afinidade singular e de uma atração magnética a fazer bater o coração mais forte. E, dentro desta perspectiva, existem muitas almas gêmeas para cada um, algumas compatíveis e outras não. O Thetahealing é uma técnica que identifica quais crenças nos limitam de manifestar nossa alma gêmea mais compatível. Crenças sobre amor-próprio, (não) merecimento, medo da intimidade são muito comuns de serem trabalhadas. Crenças, inclusive, sobre o amor. É bem comum que haja algum aspecto subconsciente que relaciona amor e amar ao sofrimento, ao apego, a anulação, a rejeição, etc. Assim, através da técnica vamos liberando os medos e demais limitações abrindo espaço para que o Universo aproxime um do outro e o encontro aconteça deste lugar de crescimento e abundância e não a partir da carência e do medo da solidão. A união das almas gêmeas fala sobre a criação de uma energia a ressoar no entorno e expandir e iluminar a própria vida. A manifestação é um dos maravilhosos recursos que a técnica do Thetahealing permite.

@gugliantunes
(13) 99660 0968

segunda-feira, 17 de junho de 2019

Manifestação & Abundância...

(Fonte: Pinterest)

Duas pessoas com a mesma formação oferecem o mesmo serviço/produto com a mesma qualidade numa mesma região e pelo mesmo preço. Uma prospera e a outra não. Uma ganha mais clientes e a outra oscila. O mercado e a situação econômica do país é exatamente a mesma para elas. Então, por que? A razão é que se nosso sistema de crenças subconsciente cria a nossa realidade, isto significa dizer que nós viremos a atrair cenários, pessoas e situações que expressarão e confirmarão as crenças que temos. Por que para fulano prosperar é necessário muito esforço e dores de cabeça enquanto para beltrano isto se dá com facilidade? Por que uma tenta, tenta, tenta e nunca consegue e a outra alça vôo de primeira? Quais crenças criam uma realidade de abundância ou de escassez? E o que é o dinheiro senão um espelho a revelar com quais crenças e emoções nos relacionamos e a partir dela criamos a nossa vida? Não há vão para sorte ou acaso, mas espaço e liberdade para expressarmos o que acreditamos. Quais os medos que você identifica - e ainda nem suspeita - quando lida com dinheiro? Você guarda para viajar ou por que tem medo que venha precisar adiante? Qual a sua relação com a falta, com o que é "caro" e qual a razão pela qual você vive economizando; qual sua relação com aquilo que você sente que merece e é possível? Se você acha que só um "golpe de sorte" e ganhar na mega-sena podem mudar a sua vida, eu trago muito boas notícias.


@gugliantunes
(13) 99660 0968

domingo, 16 de junho de 2019

MESA QUÂNTICA ESTELAR

É uma ferramenta que se utiliza dos conhecimentos da Física Quântica, Radiestesia, Radiônica, Geometria Sagrada e Psiônica e que consiste na emissão de energias de equilíbrio e cura para o restabelecimento da harmonia física, mental, emocional, familiar, financeira, afetiva e espiritual da pessoa em busca da sua própria transformação.

A Mesa atua com o amparo direto do Arcanjo Miguel e dos Comandos Estelares.

A Mesa atua nos desafios que muitas vezes vão além da vontade pessoal, sendo uma ferramenta completa e muito potente para tudo o que impede a felicidade, a saúde e a prosperidade nas diversas áreas da vida.

COMO É UMA SESSÃO DE MESA QUÂNTICA ESTELAR:

Uma sessão a distância e presencial ocorrem da mesma maneira.

O terapeuta abre a sessão estabelecendo conexão vibracional tanto do cliente quanto das energias espirituais mais elevadas de harmonia, limpeza e cura que conduzem todo o trabalho. 
A Mesa irá mostrar através do pêndulo as ferramentas/energias relacionadas ao que a pessoa está vivendo e precisando no momento. A cada ferramenta que sair será explicada sua razão, apontando quais limpezas, ativações e harmonizações serão realizadas.

As energias da Mesa atuarão por 3 meses - como um tratamento - de acordo com a sua vida, dando suporte, promovendo a limpeza, o reequilíbrio, a harmonia nas questões e desafios, sejam eles de ordem física, financeira, afetiva, psicoemocional, espiritual, familiar, etc.

O cliente (a distância) pode acompanhar a sessão no momento ou saber posteriormente o resultado da Mesa, tendo clareza de quais energias irão atuar na sua vida. E é possível, ao final da sessão, fazer 3 perguntas divinas sobre qualquer área da própria vida.

O QUE É POSSÍVEL TRATAR COM A MESA QUÂNTICA ESTELAR:

- Problemas afetivos;
- Problemas de saúde;
- Problemas financeiros e materiais;
- Problemas profissionais e nos negócios;
- Problemas familiares;
- Problemas com energias nocivas (inveja, obsessores mortos e vivos, feitiços e maldições, chips e implantes, etc.)
- Dissolve memórias negativas que geram bloqueios e limitações;
- Trata padrões de comportamento negativos e ativa as virtudes;
- Trata medos, inseguranças, traumas, culpas, depressão, ansiedade e diversos padrões emocionais negativos;
- Auxilia no tratamento de dores e doenças;
- Eleva o padrão vibratório, aumenta a energia vital; fortalece a saúde;
- Promove a paz interior, a fé, a autoestima;
- Fortalece e ativa a conexão com o Divino;
- Corte de laços cármicos, contratos negativos e redução da dívida cármica;
- Limpeza dos espaços, harmonizando e equilibrando a energia do lar e dos locais de trabalho;

Mande mensagem para agendar e para saber mais. ;)

Whatsapp: (13) 99660 0968
Instagram: @gugliantunes

quinta-feira, 13 de junho de 2019

A busca...

(Fonte: Pinterest)

A busca da Alma por meio do eu (ego) encarnado é expressar-se criativamente através das crenças que carrega e a partir desta expressão adquirir virtudes para sua trajetória evolutiva. Para a Alma não importa se o eu encarnado aprenderá, por exemplo, a paciência atravessando uma doença séria ou aguardando na fila do banco. Para Ela, eterna e ilimitada, não é um problema se o "eu" aprenderá o perdão sendo abusado ou numa discussão entre amigos. O ego (eu encarnado) como aspecto e expressão da Alma é quem, neste plano em que atua e que vivemos, sofre pelos desafios, dores e angústias criados pelo seu próprio sistema de crenças. Se o aprendizado é conquistado e a virtude adquirida, o padrão/karma se encerra. Uma questão comum é carregar crenças ancestrais e históricas de que o aprendizado vem através do sofrimento, de que a dor dignifica, de que a vida nunca é fácil, etc. Mas, se é possível acessar estas crenças e liberá-las, o aprendizado pode ser vivido com leveza e facilidade. Os desafios tornam-se outros. O sofrimento deixa de ser peça-chave para a evolução. Afinal, o que importa para a Alma é se expressar e aprender suas potências e virtudes, não importa como, contanto que as adquira para seguir.

Quer se dar a oportunidade de transformar a sua realidade e aprender da melhor e mais elevada maneira?

segunda-feira, 10 de junho de 2019

Deus...

(Fonte: Pinterest)

O Universo (Deus, Vida, Tao, Todo, Criador, Ísvara, etc.) para quem fazemos pedidos e orações não está separado de nós. A percepção de lá e cá, dentro e fora, eu e o outro, eu e Deus é uma perspectiva da mente que compreende este plano da existência através da dualidade. É parte deste plano a realidade e a expressão dos opostos para a partir deles compreendermos a própria Unidade. Assim, os milagres, a abundância, o Amor, as curas não vem exatamente de longe, lá do alto, distante e fora de cada um de nós. O Universo como a sua própria extensão lhe dará de acordo com as crenças (conscientes e inconscientes) que você se identifica, isto é, com aquilo que você intimamente acredita merecer e ser possível. Ou seja, a Vida lhe dá de acordo com o que você permite e aceita. Isto equivale dizer que os cenários, situações, personagens e padrões são criados por você e para você de modo consciente e, sobretudo, inconsciente. Aquilo que você deseja que não é manifestado tem relação com as crenças inconscientes que limitam a sua expressão e experiência neste plano. Quando olhamos para a nossa jornada de autoconhecimento e melhoramos a relação conosco acabamos por melhorar a nossa relação com os outros, com a Vida, com Deus. Daí a compreensão "holística". Você não está separado do Criador como a tela está de um pintor. Você é a expressão dele como a dança é de um dançarino. E ainda assim, vale frisar, você não é parte do Todo; você é a EXPRESSÃO do Todo. O que faz - e muita - diferença. Citando Meister Eckhart: o olho com que vejo Deus é o mesmo com que Deus me vê.

O que você tem feito para (se) ver melhor?

sexta-feira, 7 de junho de 2019

Crenças...

(Fonte: Pinterest)

Uma crença subconsciente é a energia/informação com que o Ser (Consciência) se identifica e aceita como verdade, criando sua realidade a partir desta identificação. A analogia é a de um programa instalado e executado no sistema operacional de um computador. Se o programa é "bom" ou "ruim", "justo" ou "injusto" é indiferente para o sistema que irá executá-lo sem distinções. O Ser cria e se expressa através do seu sistema de crenças que compõe-se de 4 níveis. O nível central é formado pelas crenças adquiridas durante a infância e neste tempo, podendo ser descriadas e recriadas facilmente. O nível genético é o conjunto de crenças e padrões da nossa ancestralidade que, inclusive, referem-se às informações do DNA. O nível histórico compõe-se das informações de vidas passadas e do campo do (in)consciente coletivo. O nível de Alma é uma identificação profunda do que a pessoa "é"; crenças que acompanham a pessoa ao longo das vidas, planos, eras, etc. Um exemplo entre inúmeros é a da pessoa com questões financeiras. No nível central ela pode carregar a crença de que é um fracasso por uma experiência vivida na infância onde se sentiu assim e com isto se identificou. No nível genético ela inconscientemente se sente pertencente à família através da pobreza - já que seus ancestrais todos foram pobres. No nível histórico dela estão instaladas crenças como "o dinheiro é a raiz de todo o mal" ou "só os pobres herdam o reino dos céus". A partir desta compreensão é possível acessar estes 4 níveis e trabalhá-los através do Thetahealing, liberando crenças que criam a realidade de modo limitado, seja qual limitação for (física, psicoemocional, relacional, de escassez, etc). A cura e as transformações são possíveis.

@gugliantunes
(13) 99660 0968

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Vínculos de Amor...

(Fonte: Pinterest)

Aquilo que acontece conosco entre a concepção, gestação, parto e os primeiros anos de vida tem profunda influência sobre a nossa história. Desde o ventre, o bebê recebe as impressões da mãe, do pai e do mundo. Desde lá, estabelecem-se os vínculos de afeto com a mãe. Se, por exemplo, a mãe sofre um trauma, experienciará o trauma o bebê. Se a mãe o rejeita, experienciará a rejeição. O ambiente psicoemocional é imprescindível para a vida que será vivida. E ainda que a mãe ame e aceite o bebê é possível que, por diversas razões, os vínculos de amor não se formem de maneira adequada, facilitando com que seja buscado durante a vida este amor de modo não saudável, algumas vezes desenvolvendo até mesmo comportamentos autodestrutivos. O vínculo de amor materno é essencial para o amor próprio, para a saúde física e para as relações. A cura de traumas vividos pelo bebê abre espaço para as demais curas ao longo da vida.

É possível acessar estas memórias/traumas e liberá-las. É possível estabelecer vínculos de amor que não foram estabelecidos naquele momento. É possível dedicarmos o olhar para a maneira como chegamos ao mundo e transformar o presente. Sim, é possível. ;)

@gugliantunes
(13) 99660 0968

segunda-feira, 3 de junho de 2019

O corpo canta...

(fonte: Pinterest)

As células e órgãos do corpo carregam as crenças e memórias daquilo que vivemos desde a concepção e de outras existências nossas, bem como também carregam as memórias da nossa ancestralidade. Há uma sabedoria em nosso corpo possível de ser acessada através do coração. A escuta sensível do coração através da presença permite que o corpo se expresse e as emoções contem suas histórias. Ao nos colocarmos neste estado de presença, não há emoção boa ou ruim, certa ou errada, melhor ou pior. Cada uma tem sua razão e sua serventia para o Ser, ainda que na superfície da consciência isto não faça sentido ou não se compreenda de pronto. A escuta amorosa dispensa os julgamentos permitindo, por isto, que as emoções sejam caminho para a própria cura e para esta sabedoria que habita em nós. Isto não é uma alegoria ou algo para monges iniciados no Himalaia. Isto está disponível para quem estiver disponível para isto.

sexta-feira, 31 de maio de 2019

Pais & avós...

(Imagem: autor desconhecido)

Seremos os pais e avós daqueles que ainda virão. Seremos os ancestrais como são nossos pais e avós. Assim como contamos suas histórias, contarão as nossas. Somos a soma de todos e de cada um, daquilo que fizeram, daquilo que sentiram, daquilo que morreram e do que também celebraram. Não apenas herdamos seus olhos castanhos ou a pele negra, carregamos a sobrevivência que tornou-se também a nossa. Carregamos suas vitórias e derrotas. Carregamos a nutrição do amor e também sua falta. Os padrões ancestrais que se apresentam como nossos sem nos darmos conta é o convite para aprendermos a generosidade de (nos) acolhermos, sabendo que, embora distintos os papéis, nomes e cenários, embora distintos os personagens, somos todos dignos da nossa identidade, da nossa história, da nossa jornada, como expressão singular e plural da Unidade.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

A experiência...

Eu neguei por vários anos o Natal. Com a rebeldia de um adolescente o rejeitei convenientemente alegando a hipocrisia das pessoas, o desperdício de comida, o amigo secreto compulsório, a televisão ligada em programas sem graça, etc. Eu, todo trabalhado no mimimi, dei foco no que queria enxergar e, oras, enxerguei e vivi exatamente o que escolhi para mim. Reclamei como se a experiência do Natal fosse independente do meu próprio olhar e do que, de alguma maneira, escolhia acreditar. O que eu percebi - e que compartilho com vocês - é que não sou refém de nenhuma experiência porque sou eu que a escolho e dou atenção para o que quero dar. Se insisto com a atenção em algo que me desagrada, este algo que me desagrada persiste. Hoje, percebo que posso criar o meu Natal, a minha experiência de Natal, sem reforçar, persistir ou insistir no que não quero. Dou atenção ao que me é valioso, ao que me nutre, e descubro ainda que posso criar um cenário onde não preciso engolir a seco a hipocrisia alheia e nem discuti-la, ou que me permito dizer "não" para aquilo que não quero participar. E, de alguma maneira, isto se dá com a nossa vida inteira. Qual é a experiência que tenho escolhido criar para mim? O que me faz por atenção e insistir no que me desagrada? Como posso ter mais do que me deixa feliz e por isto mesmo, compartilhar com quem gosto?

Aos que compreenderam a mensagem e aos que não, desejo de coração uma generosa e divertida experiência de Natal. Seja lá como você decida vivê-la.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

Ela...

A minha esposa quando sorri revela seus 452 dentes. Não é deboche, nem ironia. Seu sorriso é tão lindo que quando sorri se mostram, numa ilusão de ótica, os 833 dentes da sua boca harmônica e simétrica. Além do charme, é claro, há muito o que dizer. Anna desmente aquela teoria de que quem faz muito não faz nada direito. Acupunturista, fotógrafa, editora, pintora, massoterapeuta, chef, thetahealer, bailaora flamenca. Anna, com excelência, canta, dança, representa e desensina certezas empoeiradas abrindo espaço para a minha própria luz. Anna me convida às cores, à cura, à celebração. Já me deu a vida, a voz, a vez, o peito e os amanhãs. Anna é janela, café, colo, asa e céu. Anna se veste de sol para me amanhecer, diariamente. E sendo o dia dela, hoje, o dia é meu. De celebrar os seus plurais, o nosso amor e a minha felicidade por tê-la ao lado. Por ser a nossa casa o altar de cada um dos nossos sonhos. Por ser o seu nome a minha inteira prece. E eu, aqui, escrevo para lembrá-la de quem ela é quando às vezes se esquece. Aqui, acendo a poesia e as palavras para iluminá-la para que o lume revele aos seus olhos a mulher que é. Isto tudo já declarado nas entrelinhas. Isto tudo a ser confessado no meu sorriso quando a vejo. Um sorriso imenso, mas com bem menos dentes na boca.