terça-feira, 18 de julho de 2017

Do interrogatório...

O escritor dialoga com espelhos e diante de cada um interroga-se junto aos seus próprios demônios. Ao convocar memórias revisita-se ao adentrá-las sem limpar os pés e o peito. Escrever é passar a limpo os desastres numa releitura personalíssima do tempo. O escritor põe-se a drenar a realidade do espírito que o comprime pela falta de sentido que ininterruptamente o ameaça. Ao realocar verdades pela dissolução dos seus escuros, arrisca-se por em xeque sua literatura. As palavras são as boas novas da sua própria inferioridade, álibi dos seus fracassos, o registro precário dos seus invisíveis. A literatura é a fertilidade do caos onde a incompletude da condição humana comunga com a sua própria.

O homem escreve numa tentativa contínua de descrever a palavra última que o justifique.

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Sobre a condenação...

Não, não se comemora a condenação de um homem de bem que nada sabia - nem nunca soube - do que se passou durante os anos todos de governo de seu partido em que foram descobertos monstruosos esquemas de corrupção envolvendo seus homens de confiança que atualmente ou figuram como réus ou já foram condenados e presos.

Não, não se celebra a condenação de um homem simples que comparou-se a Jesus Cristo por sua honestidade e que de maneira inequívoca intimidou a imprensa e agentes públicos com suas ameaças de mandar prender todo mundo caso se tornasse novamente o presidente.

Comemora-se a condenação de um criminoso e de sua monstruosidade.

Celebra-se a condenação de um dos maiores criminosos do país. Comemora-se um pouco da justiça engasgada por tanto tempo e que ainda carece e muito de ser praticada neste território.

Comemora-se o afastamento de um dos demônios graúdos, responsável, mentor e partícipe de um projeto de perpetuação do partido no poder e que desviou cifras inimagináveis para qualquer cidadão comum.

Cifras que hoje muitas vezes equivalem à fome, ao desemprego, ao desespero e à desesperança.

Aos que estão a padecer de mimimis e a publicarem merdas e conspirações e a defendê-lo do indefensável, recomendo a leitura na íntegra da consistente sentença que o condena. Ainda que cegueira moral e ideológica não se resolva desta maneira.

Celebra-se a prisão de um símbolo do apodrecimento.
E que venhamos a celebrar, esperar e cobrar mais pela condenação dos demais demônios.

A quem sentir faniquitos por cultivar criminoso de estimação, a porta será sempre e uma vez mais a serventia da casa.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Qual seria o erro, então?

O amor disse o seu nome e você não escutou. O amor sentou ao lado e você se distraiu. O amor se insistiu e você o ignorou. O amor decorou seu rosto mas você o esqueceu. O amor lhe sussurrou e você nada ouviu. O amor já foi mais simples e você o complicou. O amor que era óbvio, você crê: nunca existiu. A dor disse o seu nome e você de prontidão. A tristeza se sentou e você deu atenção. A saudade se insistiu e você a agarrou. A solidão decorou sua casa e você não reclamou. A vida já foi mais simples e você a complicou. Aquilo que era óbvio você diz que nunca viu. 

Qual seria o erro, então?

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Sobre ter nada...

Um bom salário. Um longo histórico de países visitados. Duas graduações e mestrados. Os pais ainda vivos. Os avós ainda vivos. Os amigos ainda próximos. Milhares de horas de vôo sobre os estados do país, as páginas dos livros, os lençóis da cama dos que amou. E um cárcere emocional por nada disso lhe dizer algo entre os silêncios da casa, por nada salvá-la das paredes da tristeza que sozinha construiu a separá-la dela mesma. Representando bem o seu papel era vitoriosa para o mundo. E o quê para si? Qual dos diplomas já lhe aliviou o peito? Qual das fotos e memórias lhe deu folga das angústias? O que um dia aprendeu que pudesse evitar a insistência no desamor? Sentia invejas, ciúmes e raivas sem jamais saber tratá-las. Sentia-se errada. Sentia-se um erro. E o que deveria despedir era o que a despedia. A culpa era o café que pelas manhãs bebia acompanhada de uma solidão resignada. Acreditava em Deus e em não poder ser outra. O que de nada adiantava. 

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Dois quarteirões...

Ela pensa que será mais feliz se mudar de emprego. Ele pensa que será mais feliz se viajar para a Europa. Ela pensa que será mais feliz ao trocar de apartamento. Ele pensa que será mais feliz ao comprar seu carro. Ela pensa que será mais feliz com 3 kg a menos. Ele pensa que será mais feliz com 3 kg a mais. Ele pensa que será mais feliz se dormir com outra. Ela pensa que será mais feliz se não dormir com mais ninguém. Ele pensa que será mais feliz se acordar mais cedo. Ela pensa que será mais feliz se dormir até tarde. Ele pensa que será mais feliz depois de concluir seu curso. Ela pensa que será mais feliz se pular domingos. Ele pensa que será mais feliz ao chegar na festa. Ela pensa que será mais feliz ao chegar nas férias. Ele pensa que será mais feliz se beber demais. Ela pensa que será mais feliz se amar de menos. Ele pensa que será mais feliz se se jogar. Ela pensa que será mais feliz se se poupar. Eles pensam que serão melhores além do que são. Eles sentem que serão melhores para além do que tem. Ela quer mudar seu futuro sem passar pelo presente. Ele quer mudar seu presente adiando-se para o futuro. E vice versa.

E o que eles querem é um futuro a dois quarteirões de distância com o amor os esperando na esquina.

domingo, 25 de junho de 2017

Amada...

Era uma vez menina que amava a tristeza tanto e muito e mais e sempre que até os medos sentiam invejas. Apaixonou-se cedo, quando as perdas passaram a visitá-la em sua casa desde as primeiras idades. O lar que lhe escolheu o destino tornou-se decorado de ausências sentidas nos abandonos da sorte e dos seus próprios pais. Ainda criança, prendou-se com camaleões e borboletas nos ofícios sagrados da transformação, fazendo das diminutas mentiras semeadas, as imensas ilusões de colheita, enfeitando janela com que olhava seus solitários desamanhãs. Admiradora das profundidades que a dor lhe causava, graduou-se em precipícios, entregando suas asas para brechó do nunca. Ouviu estórias dos espinhos que lhe diziam na vida não haver sido convidada para florescer. Assim, convenceu a si ser terra infértil das razões para existir. Deslembrou-se do vento e da sua própria voz, abandonando os dias para carregar as noites. E quando distraída se despiu a visitar beirada de rio, algo se repentinou. A Lua por ela brilhou redondamente enamorada, a lhe dedicar iluminâncias e silenciosa companhia. Como presente aos grandes olhos da menina, acendia Lua incontáveis vaga-lumes. Revelando amor sempre crescente, convidava às pertezas dos caminhos a fala dos grilos, o canto da cigarra e a rouca voz das esquecidas esperanças de coração atontado. Adormecia então aos cadinhos, tristezas minguantes. No encanto das noites, Lua contemplou menina florescer mulher e pela primeira vez, tocou seu desnudo corpo, no prateado reflexo das fundas águas que correm no rio do tempo. Do amor feito em seu ventre, nasciam as primeiras estrelas que se ouviu falar, a guiar do infinito o destino dos homens e realizar desejos dos que entre nós ainda sonham. Quanto de céu pode habitar uma só mulher? Não se sabe ao certo. Só saberá aquela que um dia da janela no amor amanhecer.

(Texto do meu primeiro livro: "A Ilha de um homem só" publicado pela Ed. Penalux)
.
. "Dar vida aos mortos é obra para infinitos deuses. Ressuscitar um vivo: um só amor cumpre o milagre." (Mia Couto)

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Ponteiros...

Denuncio-me exatamente no que oculto. O amor deixou no lugar sua própria interrupção. Assim continuo: pelas beiradas da memória, no vazio do peito, no núcleo insuportável das saudades, na negação do que sou pelo que deixei de ser. O inferno era o único habitat que sabíamos. O veneno, o alimento a partilhar. Permiti morrer ao máximo, ao despir-me do amor próprio, da lucidez, do equilíbrio para que você coubesse em mim. Agora, exijo da vida reparação pelo sacrifício. Exijo ao nada que me espreita o ressarcimento pela loucura que me fragmentou. Denuncio-me exatamente no que oculto. As angústias são tudo o que sobrou. Os sonhos ruins. Os fantasmas. A terapia. A raiva. Os medos. O seu nome a coroar o que não se perdoa. Isto porque insisto em permanecer nas feridas abertas pela violência a que nos destinamos. Porque a atualizo nos meus sintomas para celebrar o amor e ainda mais a tolice. Convoco-me a continuar o que se acabou. Denuncio-me exatamente no que oculto. E repito diariamente minha incompetência para dissolver os nós que me atam ao passado. Os nós que ressoam no corpo, na paz e no tempo.

Os ponteiros passaram, mas você não passou.

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Abstração...

Não cabe julgarmos o presente do escritor pelo que ele escreve, pois poderemos olhar para o seu passado, para o futuro, para o possível ou para os seus sonhos. E não saberemos se estamos a olhar seus atuais tempos verbais, sua própria imagem ou a nossa própria projeção.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Esquina...

O que ela queria era
um futuro a dois quarteirões
de distância com o seu amor
a esperando na esquina.

terça-feira, 20 de junho de 2017

A outra preta...

Disseram-me os espíritos que me cuidasse. Uma preta velha num terreiro, semanas atrás. Ontem, o recado dado no bar por um amigo através de sua mãe. A cerveja diluiu o impacto pela repetição do aviso. A luz que atravessou a janela do quarto hoje pela manhã trouxe de volta a preocupação. Cuidar-me como? Poderia adoecer, perder o emprego, um dos pais, o amor da minha vida, ser despejado. A lista seria infindável caso fizesse uma. O que gostariam que soubesse? Não penso que receberia uma notícia fatalista sem chances de alterar minha rota de colisão com o que quer que fosse. De nada serviriam as previsões e os profetas senão para angustiar-nos diante do inevitável. Deus seria um sádico a adiantar-nos inescapáveis capítulos. Ou fosse exatamente isto, mas um convite oferecido, não por um Deus de humor duvidoso, e sim por estrita compaixão. O convite estaria um pouco além dos avisos e notícias. Um convite de nitidez apagada pelo medo e pela ansiedade. O convite seria a entrega. A prescrição dos mensageiros seria para que venha a me cuidar pelo cultivo da fé. O conselho dado revela-se maior: aceitar o vento e as marés; perder a tolice de querer controlar o que não me é possível; compreender que as tempestades são passageiras e manter-me no equilíbrio diante dos fatos.

A preta velha disse-me o que dizia minha outra preta velha, minha avó: aquilo que não tem remédio, meu filho, remediado está.